PUBLICIDADE
Topo

Blog do Juca Kfouri

Sabor corintiano no empate em Itaquera

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

22/05/2022 16h55

O resumo do primeiro tempo do Majestoso em Itaquera é simples: o São Paulo foi melhor, marcou como muito mais determinação, parecia estar no Morumbi, chutou 12 vezes, sete no gol para quatro enormes defesas de Cássio em finalizações de Alisson, Rodrigo Nestor e Calleri, e teve oito escanteios, todos para Reinaldo bater.

Aos 50 minutos, Calleri, com enorme categoria matou uma bola que chegou forte na coxa e arrematou para fazer 1 a 0. Era justo.

Terceiro gol do argentino em quatro Majestosos.

Já o Corinthians finalizou apenas três vezes, para duas boas defesas de Jandrei.

E fez um gol com Jô, em cruzamento de Renato Augusto, que estava em impedimento flagrado pelo VAR.

Para o segundo tempo Vitor Pereira trocou Gil por Adson e abandonou o esquema de três zagueiros.

Rogério Ceni sacou Reinaldo, o melhor em campo até ali, pôs Patrick em seu lugar, além de trocar Igor Vinícius e Luciano por Rafinha e Éder.

Lamentáveis e inaceitáveis coros homofóbicos eram ouvidos no estádio corintiano.

Gabriel Neves no lugar de Rodrigo Nestor, aos 14'.

O São Paulo, além de derrubar o líder, assumia a liderança do Brasileirão, mas o Corinthians apertava em busca do empate e Jandrei, por duas vezes, o evitou, na segunda o que seria gol contra de Diego Costa.

Piton, Giuliano e Junior Moraes, aos 30', nos lugares de Fábio Santos. Maycon e Willian.

O São Paulo não ameaçava e era pouco ameaçado, com controle do clássico.

Mas, aos 34', Junior Moraes tabelou com Piton que pôs a bola na cabeça do menino Adson e o 1 a 1 estava no placar.

Brilhava a estrela de Vitor Pereira com três jogadores que vieram do banco.

O São Paulo era castigado por defender a vantagem diante de 45 mil corintianos que viam o alvinegro retomar a liderança.

Rigoni no lugar de Alisson, aos 43'.

O São Paulo foi muito melhor no primeiro tempo e o Corinthians um pouco melhor no segundo.

Porque Ceni mexeu mal e Pereira bem, o 1 a 1 acabou justo e manteve a escrita, também porque, aos 48', Igor Gomes cabeceou livre e Cássio fez mais uma defesaça, se machucou e foi substituído por Matheus Donelli.

Cássio jamais perdeu para o São Paulo em Itaquera, presente aos 16 jogos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/jucakfouri/

Blog do Juca Kfouri