PUBLICIDADE
Topo

Blog do Juca Kfouri

Moisés conduz o Fortaleza às oitavas da Libertadores

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

25/05/2022 20h56

Deu tudo certo para o Fortaleza se garantir nas oitavas de final da Libertadores.

Enfrentou o Colo-Colo, em Santiago, sem torcida no estádio porque a torcida chilena havia aprontado no jogo contra o River Plate.

O primeiro tempo nem bem havia chegado à metade e, em duas estocadas, Silvio Romero, logo no 2º minuto, em jogada todinha de Moisés, e o próprio Moisés, aos 24', fizeram 2 a 0.

Mesmo perigosamente entregando a bola aos anfitriões, os cearenses correram poucos riscos.

Nos acréscimos, no entanto, os chilenos se animaram porque conseguiram diminuir.

Mas logo no começo do segundo tempo, Moisés causou a expulsão do zagueiro Rojas, porque pararia dentro do gol.

Em seguida, o mesmo Moisés fez 3 a 1, imparável no gramado andino a cada contra-ataque em que era servido.

Faltava o gol de Pikachu e, aos 16', não faltou mais: 4 a 1!

O time brasileiro jogava pelo empate, mas goleava.

Talvez por isso, numa distração, permitiu o 2 a 4, nada que preocupasse muito, desde que voltasse a jogar seriamente, principalmente porque a inflamada torcida do clube mais popular do Chile via o jogo pela TV.

Só que, mesmo com um jogador a mais, o Fortaleza pareceu com medo de ser feliz e tomou o 3 a 4.

Embora pudesse, repita-se, empatar, era melhor não brincar e dar graças pela ausência do torcedor.

Chegar às oitavas em sua primeira participação na Libertadores, se recuperar depois de perder os dois primeiros jogos, inclusive para o Colo-Colo, no Castelão, tudo isso é digno de nota.

O que não impede que Juan Vojvoda puxe as orelhas de seu time, que anda exagerando na irregularidade e só não tomou o 4 a 4 por acaso.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/jucakfouri/

Blog do Juca Kfouri