PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

O estudo venceu a praia

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

29/11/2021 13h20

POR ANDRÉ VALENTE*

Renato Gaúcho, vaidoso e arrogante, disse que vai à Europa quem precisa estudar, e à praia quem não precisa.

O praticante de futevôlei levou uma lição do estudioso europeu.

Abel Ferreira veio de Portugal formado por uma escola de grandes técnicos, inclusive seu mestre José Mourinho.

Consideram arte saber armar uma defesa competente.

Para eles, não há o dilema de futebol arte (bonito) x futebol de resultado(feio).

Não é uma questão para quem privilegia o estudo, o trabalho, a seriedade e a competência.

O mestre de Abel Ferreira ganhou a Liga dos Campeões da Europa dirigindo a Internazionale.

Na semifinal, contra o Barcelona de Messi e companhia, montou uma barreira quase intransponível diante da grande área e foi campeão perdendo por um gol (O Barcelona precisava de um 2 x 0).

Abel Ferreira surpreendeu Renato Gaúcho – e também jornalistas e torcedores – ao colocar Gustavo Scarpa de ala e criar um terceiro zagueiro com Piquerez.

Fechou o caminho de Everton Ribeiro e Isla: por ali nada se criou.

À frente da linha de cinco defensores, quatro jogadores (Danilo, Zé Rafael, Raphael Veiga e Dudu) dificultavam a armação das jogadas do Flamengo. Rony, o único na frente, também voltava para marcar. Duas linhas de cinco eram formadas. A bola era oferecida ao adversário, que teve 65% de posse no 1º tempo, mas só concluiu uma vez.

Foi um banho tático, sem resposta de quem considera desnecessário estudar.

Será que Renato entendeu o que estava acontecendo?

Ao debochar de quem estuda, ele desrespeita não só os colegas de profissão, mas também profissionais de todas as áreas.

O comportamento presunçoso de Renato chegou a alguns jogadores do time. Houve quem desse, antes do jogo, o placar da vitória. Faltaram foco e atitude.

É claro que o Flamengo poderia ter vencido no 2º tempo porque jogou melhor e criou várias chances, mas talvez não tenha merecido por conta da empáfia do seu treinador.

Os deuses do futebol também ajudam a quem desde cedo estuda. A sorte aparece.

Abel Ferreira contou com ela quando Hulk perdeu o pênalti na semifinal em São Paulo. O técnico armou o Palmeiras para não tomar o gol qualificado no 1º jogo e fazer um no 2º em Minas. Deu certo.

Contra o Flamengo, mudou o time para prorrogação e atacou o adversário marcando a saída de bola. Deu certo de novo: Andreas Pereira errou. Abel soube ver o jogo melhor que Renato.

Quem estuda merece a vitória. Há quem prefira a praia…

*André Valente é professor de Literatura na UERJ.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri