PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Bahia executa o Grêmio e preocupa o São Paulo

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

26/11/2021 20h50

Com um frango de Gabriel Chapecó e uma lambança de Geromel, aos 13 e 17 minutos de jogo, Matheus Bahia e Raí fizeram 2 a 0 para o Bahia e deixaram o Grêmio mais desesperado que o próprio desespero.

Com o que os baianos deixavam a ZR e instalavam o Juventude nela, ambos apenas dois pontos abaixo do São Paulo, que tem porque tem de vencer o Sport amanhã, no Morumbi.

O tricolor baiano, em resumo, azarava o tricolor gaúcho e deixava insone o tricolor paulista, além de botar outro gaúcho em má situação.

O Grêmio tem feito tudo errado mesmo e não fosse a ajuda de Renato Gaúcho estaria em situação ainda pior que a de hoje, com a colaboração de Vagner Mancini, que pôs Campaz para jogar só quando o primeiro tempo já ia pela metade, em vez de escalá-lo desde o início.

A entrada dele mudou a cara gremista que passou a pressionar e ainda mais quando Rafinha e Douglas Costa entraram para jogar o segundo tempo na Fonte Nova.

Tanto que aos 16', Rafinha pegou um mau rebote do goleiro Danilo fora da área, Thiago Santos desviou e deixou o placar com 2 a 1.

Sofria-se na Bahia e no Rio Grande do Sul, com jogo lá e cá, pânico de um, contra-ataque do outro.

Jean Pyerre e Diego Souza entraram, aos 28', para buscar o milagre que havia acontecido contra o Flamengo, embora com dez e a colaboração de Renato Gaúcho.

Os são-paulinos rezavam pelo empate, assim como atleticanos goianos e paranaenses, além dos gaúchos do Juventude.

Difícil dizer quem estava mais nervoso no gramado, se nordestinos ou sulistas.

Até que, aos 40', Daniel recebeu de Rodallega na esquerda e bateu cruzado para fazer 3 a 1. Ambos vieram do banco para alegria de 30 mil torcedores.

Agora, para ter chance de escapar, o Grêmio terá de fazer os nove pontos que lhe restam disputar.

Simplesmente contra São Paulo e Corinthians, em Porto Alegre e em Itaquera, e contra o Galo, na Arena Grêmio.

Só três milagres.

E, pior, nada garante que 45 pontos bastem…

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri