PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Scarpa escalpela o Leão pernambucano

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

25/10/2021 22h46

Aos quatro minutos na casa verde, "Zé Welison achou um belo lançamento longo para Luciano Juba, que dominou pela esquerda e atravessou para a segunda trave. Na pequena área, Barcía chegou batendo forte e a bola ainda pegou em Weverton antes de morrer no fundo do gol", como descreveu o UOL Esporte.

Do quarto ao 49º minutos de jogo só deu Palmeiras, ao criar um sem-número de oportunidades, em combinações belas e finalizações imperfeitas.

Registre-se que também os gandulas trabalhavam bem, rápidos, ao contrário do que fizeram depois que o Palmeiras fez 1 a 0 no jogo passado na casa verde, quando sumiram.

No intervalo, o Sport saía da ZR e o Palmeiras perdia a chance de voltar ao segundo lugar, mas tudo indicava que ao fim do jogo a situação estaria invertida, tamanha a superioridade alviverde, que ainda tinha munição no banco para virar sobre a competente defesa pernambucana.

Com ótimo retrospecto no estádio alviverde, onde venceu por 2 a 0 na inauguração, em 2014, e onde voltou a ganhar, em 2018, por 3 a 2, além de ter empatado 2 a 2 em 2020, o Sport apostava na escrita.

Gustavo Scarpa já voltou para o segundo tempo no lugar de Danilo, diante de 13 mil torcedores.

E logo aos 8 minutos bateu escanteio pela direita com o veneno de que é capaz para Luíz Adriano empatar, sem querer, mas precisando, ele que anda marcado pela torcida: 1 a 1.

Começava a virada.

O Sport voltava à ZR e o Palmeiras chegava ao 3º lugar e desalojava o Flamengo.

O Verdão queria porque queria resolver logo e jogava a 200 quilômetros por hora.

Aos 22', hora de trocar: Rony e Luíz Adriano descansam e Deyverson e Willian trabalham.

O segundo gol verde amadurecia a cada minuto.

Mas o goleiro Maison não estava disposto a tomar o gol e fez duas defesaças seguidas em duas cabeçadas mortais de Gustavo Gómez.

O tempo passava e Raphael Veiga deu lugar a Patrick, aos 33'.

Scarpa pintava e bordava e o pobre blogueiro não entende como ele não é titular.

Dudu também estava com o diabo no corpo, mas Mailson parecia encantado.

Até que Scarpa bateu novo escanteio, agora no primeiro pau para Willian fazer a casquinha e Filipe Melo o segundo gol: 2 a 1, aos 35'.

Não era justo, era justíssimo.

O Verdão é o vice-líder e treina forte, e bem, para a decisão da Libertadores, além de aparentar que chegará mais confiante e inteiro que o rival Flamengo.

O Leão assustou no começo do jogo, mas saiu pelado da casa verde e na zona do rebaixamento. Leão não é zebra.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri