PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

1 a 0 foi pouco para o Bragantino

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

24/10/2021 20h12

Luan Cândido antes de fazer o gol da vitória, que não pôde comemorar, festeja gol anulado pelo VAR

Quando o 1º tempo terminou em Bragança havia algo de muito errado no placar: o 0 a 0.

Era para estar, no mínimo, 3 a 3, tantas as chances criadas e algumas desperdiçadas miseravelmente.

Numa delas, a mais escandalosa, quase pornográfica, Luciano ia fazer 1 a 0 para o São Paulo e Pablo entrou na frente dele para chutar a bola em Atibaia, a 25 quilômetros de Bragança. Pode aquilo, Arnaldo?

O 2º tempo parecia seguir o mesmo caminho, mas, aí, com predomínio do Bragantino.

Então, aos 11 minutos, Luan Cândido subiu, cabeceou a cabeça de Miranda e a bola para mandá-la para o fundo da rede.

Enfim, o gol! Bragantino 1, São Paulo 0, e touca na cuca ferida de Luan Cândido, que já havia marcado gol anulado pelo VAR e nem pôde comemorar o gol que valeu.

Rogério Ceni bem que tentava mudar as coisas: aos poucos pôs em campo Igor Vinícius, Marquinhos, Vitor Bueno e Benitez, nos lugares de Orejuela, Pablo, Rodrigo Nestor e Luciano. Além de Éder, no lugar de Liziero.

Mas o Braga seguia mais perto do 2 a 0 e Cuello acertou a trave de Tiago Volpi.

Até que o goleiro Cleiton evitou o empate de Vitor Bueno, em grande defesa.

Ali pelo 35º minuto o placar moral era de 6 a 4 para os donos da casa.

Quem não torce pelo Tricolor se divertia com o andamento do jogo, animadíssimo.

Maurício Barbieri também fez todas as trocas que podia e tinha todos os motivos do mundo para estar feliz, embora tenha passado por apuros no fim do jogo, quando o São Paulo, na base do tudo ou nada, mais coração que organização, buscou o empate.

Que seria injusto com o Bragantino, o time paulista de futebol mais vistoso.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri