PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Bruno Henrique brilha e põe o Flamengo quase na final

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

22/09/2021 23h23

Tudo que Palmeiras e Galo não fizeram no primeiro jogo das semifinais da Libertadores, Flamengo e Barcelona apresentaram com juros e correção monetária.

O time equatoriano não se intimidou com a frenética Nação no Maracanã e Diego Alves fez três defesas impressionantes para evitar que o rubro-negro saísse atrás e levasse o desequilibrante gol qualificado.

Aí, aos 22 minutos, quando era preocupante a situação do time brasileiro, Gabigol fez lançamento espetacular para Bruno Henrique subir no Corcovado e abrir a contagem.

Então o Mengo tomou conta mesmo sem Arrascaeta, mas com a estreia de David Luiz.

Por duas vezes, em nova cabeçada de BH em passe de Gabigol, e em arremate de fora da área de Andreas Pereira, o travessão salvou o Barcelona.

Até que Everton Ribeiro puxou o contra-ataque, Gabigol deu para Vitinho lançar BH Ana pequena área e fazer 2 a 0.

Para melhorar, Molina pegou BH e foi expulso, para o Flamengo poder golear no segundo tempo.

Mas não é que de tão atrevido o time amarelo foi para cima e fez Diego Alves, de novo, e David Luiz, no rebote, evitarem o 1 a 2 nem bem começou o tempo final.

Mas foi só um susto, porque logo o Flamengo passou a explorar os espaços inevitáveis deixados pelo adversário e o 3 a 0 amadurecia nos pés de Vitinho, Andreas Pereira e Gabigol.

David Luiz e Vitinho saíram, aos 55', para Léo Pereira e Thiago Maia jogarem.

BH teve o triplete à disposição, mas perdeu, quando o Flamengo dominava completamente a partida e não matava a decisão.

Aos 80', Renato Gaúcho recorreu a Matheuzinho e Michael, nos lugares de Isla e BH para buscar o terceiro gol que tinha porque tinha de acontecer.

O segundo tempo de um time só não era nem sombra do primeiro, porque a ansiedade superava a competência para definir a vaga na final e também Pedro entrou, no lugar de Andreas, para fechar o jogo com chave de ouro.

O Flamengo amontoava atacantes com flechas, e diminuía a quantidade de arcos.

Aos 87', sem noção, Léo Pereira deu cotovelada na área equatoriana e foi sumariamente expulso de campo.

Dez contra dez, o Barcelona ainda tentou dar um calorzinho, mas ficou na tentativa, para sorte de Léo Pereira que seria destruído se saísse um gol.

É claro que 2 a 0 é uma senhora vantagem para o jogo em Guayaquil, até porque um gol lá matará a semifinal.

Mas o gol no Rio também mataria e não matou.

Os anfitriões no Equador perceberam que dá para agredir os visitantes.

Oxalá Arrascaeta possa jogar.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri