PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

O pedaço final da taça

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

24/07/2021 10h30

POR INÊS BARI

Ele colava perfeita e milimétricamente todas as figurinhas. Coisa que eu nunca conseguia. Até que eu começava bem os meus álbuns, na infância, mas bastavam duas ou três semanas, eu já entortava alguma para a esquerda. Outras avançavam a linha de cima. Ou sangravam para um dos lados. Ficavam bem tortas algumas figuras. Uma estética estranha e desenquadrada. Talvez futurista ou desmilitarizada, mas que faria estremecer qualquer ser com leve toc. 

Meu irmão, não. Ele tinha o dom. Fazia a coisa perfeita e tinha técnica e habilidade no meio. Passava o pincel com a medida exata de goma arábica nos quatro cantos por detrás da figura de papel brilhante. Calculava com o olhar, indo e vindo, se aproximando e voltando, até fixar sem medo do lado esquerdo. Depois com o dorso da mão ia esticando a figurinha, para ficar lisinha no álbum limpinho e sem muito manuseio. Uma perfeição. E eu sempre com as minhas pelotinhas no meio das figurinhas. 

Às vezes, eu mesma achava muito feio e tentava tirar e colar novamente. Doce ilusão. O normal era eu resgar um pedacinho. Colava o remendozinho, criando um monstrinho, o que para o Silvinho era imperdoável. E assim passei anos vendo meu irmão preencher seus álbuns na infância. Geralmente de futebol ou torneios. Ele preenchia sempre por inteiro. Não era pra qualquer criança, aquele zelo… Até na hora de abrir o pacotinho tinha ritual. Rasgava a parte de cima, um centímetro mais ou menos, na horizontal. Colocava as figurinhas sobrepostas e justinhas, uma atrás da outra. Depois ia puxando lentamente a detrás, criando pra si mesmo um suspense tremendo. Subia lentamente a última delas, desvendando o segredo. – Tenho! Tenho! Não tenho! 

No final do álbum, ia ficando cada vez mais tenso. Vários pacotinhos de repetidas. Ele separava e colocava num montinho ao lado, amarrando com um elástico. Havia dois montinhos. O das mais fáceis e o das cobiçadas, prateadas, que muitas vezes, por duas ou três figurinhas, eram trocadas. No álbum mais antigo que eu me recordo, faltava só uma para completar a figura que tomava conta de toda a primeira página. O pedaço final da taça. Ele demorou semanas para achar. Trocou com um desconhecido. Não deu pra negociar. Pagou com cinco figurinhas e sua bolinha de gude vermelha. Valia a pena. 

Voltou pra casa e colocou a figurinha na página, desta vez, sem colar. Ficou assim por mais de um mês. E eu com a ansiedade de ver o álbum terminar, compreendi sem perguntar… Se terminasse o álbum, qual o sentido divertido de ainda barganhar? Não contou pra ninguém. Fingia que faltava sempre uma. E continuava trocando com gosto, agora mais generoso. Até que num domingo, dia da final do jogo, colou com cuidado a figurinha que faltava. Milimétrica e perfeitamente. Na minha frente. Album completado. Folheado e fechado . Era o pedaço final da taça Jules Rimet. Fomos para frente da Tevê. Brasil 4 a 1 na Itália! Nessa, meu irmão contribuiu. 

E eu que colei o Jairzinho, no lugar do Tostão? Ainda bem que ele não viu.

inesplicando

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri