PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Acabou o sonho olímpico das brasileiras do futebol

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

30/07/2021 07h54

Aos 40 minutos Debinha roubou a bola da zagueira canadense, invadiu a área e teve duas opções: finalizar na saída da goleira ou abrir para Duda livre. Preferiu chutar e a defesa foi feita com a perna.

Melhor chance em primeiro tempo em que o Canadá foi melhor, como seguiu sendo no segundo tempo quando, então, aos 60', mandou bola no travessão de Bárbara.

O jogo não era nada bom e dava mais sono que emoção para quem acordou às 5h para vê-lo. Ainda mais se foi dormir às 2h depois de ver o vôlei masculino brasileiro superar o americano em 3 a 1 dramático.

Impossível não dividir a atenção com o duelo semifinal no tênis entre o Djokovic e Zverev. O sérvio fez 6/1, tomou 6/3 e, surpreendentemente, acabou derrotado pelo alemão no terceiro e último set por 6/1. Morreu seu sonho de ganhar os quatro torneios do Grand Slam (só falta o Aberto dos Estados Unidos) e o ouro olímpico, coisa que homem algum jamais conseguiu, só a alemã Steffi Graf, em 1988, em Seul.

No futebol o jogo era tão nervoso no gramado que as jogadoras pouco criavam, embora as brasileiras tenham sido ligeiramente superioras no segundo tempo, não a ponto de evitarem a prorrogação.

Com as duas equipes extenuadas, o primeiro tempo da prorrogação acabou por ser mais animado, lá e cá por causa dos espaços que o cansaço generalizado. Mas o 0 a 0 não se mexeu.

Faltavam mais 15 minutos — ou eles e mais os pênaltis.

Quando faltavam dez, o medo de tomar o gol falava mais alto que a vontade de fazê-lo, como se fosse o golden gol, ou a morte súbita.

E quando faltavam dois minutos a boa goleira Stephanie Labbé fez a melhor defesa do jogo, em cabeçada certeira de Erika.

Ainda houve mais quatro minutos de acréscimos, praticamente inúteis, tipicamente sádicos, promovidos pela assopradora de apito francesa.

Bárbara Barbosa ou Stephanie Labbé?

Bárbara pegou o primeiro pênalti, 0 a 0!

Marta fez 1 a 0.

O Canadá empatou, 1 a 1.

Debinha fez 2 a 1.

O Canadá empatou 2 a 2.

Erika fez 3 a 2.

O Canadá empatou, 3 a 3.

Andressa bateu e Labbé pegou, 3 a 3!

O Canadá fez 4 a 3.

Rafaelle bateu e Labbé pegou para classificar o Canadá e eliminar o Brasil.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri