PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Timão cumpre com a obrigação suavemente

Juca Kfouri

11/05/2021 17h52

A Inter de Limeira, da Série D nacional, chegou ao estádio corintiano com 18 pontos, fruto de seis vitórias e seis derrotas, sete a menos que o Corinthians.

Se obtivesse seu primeiro empate no campeonato, levaria a decisão da vaga à marca do pênalti.

Mas não pôde nem respirar.

Em menos de dez minutos, Lucas Piton foi à linha de fundo e cruzou para Fagner pegar mal de três dedos na bola, o suficiente, no entanto, para a abrir o placar: 1 a 0.

As aspirações do Corinthians são tão poucas que até Cássio saiu do gol e foi ao outro lado do campo para abraçar o companheiro, como se fosse uma façanha. No máximo, o gol punha o Alvinegro nas semifinais do Paulistinha, tudo que o time pode desejar em 2021.

Verdade que se tratava do 400° jogo de Fagner com a camisa corintiana e talvez por isso o goleiro tenha feito o gesto.

O Corinthians até fez o segundo gol com Luan, anulado não se sabe se porque a bola saiu ou se porque a bandeirinha viu impedimento, aos 30'.

Os anfitriões não correram risco, mas também não foram capazes de fazer nada a mais, embora com absoluto controle da partida diante de adversário fragílimo.

Quando o segundo tempo começou, a Inter resolveu buscar a reação, já que o domínio estéril do rival já não assustava tanto.

Só que abusou ao dar espaço demais e numa saída de bola confusa, a bola sobrou para Luan passar de cabeça para a entrada do zagueiro Jemerson bater fraco e o goleiro aceitar, aos 13': 2 a 0.

Parecia tudo acabado, mas nada para o Corinthians é assim e logo a Inter diminuiu com Thalisson, cinco minutos depois.

Imediatamente Vagner Mancini sacou Otero e Cauê para Mateus Vital e Mosquito jogarem.

Pronto!

O jogo se complicou e a Inter foi em busca de seu primeiro empate no Paulistinha. Sucediam-se os escanteios para o time interiorano.

Ramiro também foi embora e Roni chegou, aos 32'.

Assim que houve a troca, Fagner bateu escanteio, João Vitor ganhou pelo alto e a bola sobrou outra vez para Jamerson fazer 3 a 1.

Outra vez parecia tudo acabado.

E acabou mesmo, com Mosquito ainda desperdiçando o quarto gol de maneira inacreditável.

Se ele perdeu, Raul fez, mais um gol de zagueiro, para fazer 4 a 1, em cruzamento de Vital, nos acréscimos.

Piton, João Vitor, Raul, são boas novas para animar o Fiel.

Agora o Corinthians espera pelo adversário da semifinal, em jogo único, em Itaquera.

Talvez seja o máximo que o time consiga, mas já é alguma coisa.

Além do mais, em mata-mata, com camisa pesada, tudo é possível.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri