PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

A 100 dias da Olimpíada?

Juca Kfouri

14/04/2021 14h18

Dizem por aí que estamos a 100 dias do começo da Olimpíada de Tóquio? Mas, será mesmo?

Só quem viveu uma edição de Jogos Olímpicos, seja como atleta, como jornalista ou como torcedor, sabe o tamanho da expectativa à medida que a data da festa de abertura se aproxima.

Os de Barcelona, em 1992, os primeiros que cobri in loco, foram tão espetaculares que ultrapassaram a máxima de que o primeiro a gente nunca esquece, porque há consenso de que foram os melhores da história.

Mas contava os dias e estudava cada esporte que acompanharia de perto para cobri-los. Foram mesmo inesquecíveis, com festa de encerramento de comover a Catalunha e o mundo, coroada pela surpreendente façanha da seleção brasileira masculina de vôlei, primeiro ouro de esporte coletivo do nosso esporte, epopeia do técnico José Roberto Guimarães e seus rapazes dourados.

Londres, 20 anos depois, também foram deliciosos, em busca da medalha de ouro do futebol brasileiro que não veio graças a um mexicano chamado Peralta no santuário de Wembley, mas decepção compensada pela heróica seleção feminina de vôlei de José Roberto Guimarães e suas mulheres de ouro, capazes de sair do buraco para a glória.

E teve ainda o Rio em 2016, relação mais complicada, porque em casa, de olho na corrupção promovida pelo intragável Carlos Nuzman, embora, justiça se faça, numa cidade que se apresentou maravilhosa com duas festas, de abertura e fechamento, de orgulhar, além do inédito ouro, enfim, do futebol, embora sem brilho, e outro do vôlei masculino arrancado com sangue, suor e lágrimas.

Tudo isso para dizer que nada se compara à expectativa de hoje.

A única certeza é a de que não irei a Tóquio, assim como quase o mundo todo, porque, de fato, não há clima para nenhuma festa quando o planeta já perdeu quase 3 milhões de vida e certamente ultrapassará a marca até o dia 23 de julho, data prevista para a abertura.

Cancelar a Olimpíada não será capitular diante da desgraça.

Mas homenagear o princípio básico do esporte: o da saúde pública.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri