PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Clareira

Juca Kfouri

06/03/2021 18h42

POR LUIZ GUILHERME PIVA

Ali era só mato. Eles ficavam em bando, com facões, foices e tesourões, cortando o capim e os bambus, abrindo terreno, caminhos, clareiras, mas era tudo denso e escuro também de árvores e moitas altas, arbustos, espinheiros, galhos de coqueiro e palmeiras caídos.

Eles nem atinavam como chegavam ali. O caminhão os pegava no galpão de manhã e devolvia à noite. Nem se quisessem saberiam como sair de lá. Um guia os conduzia mato adentro com uma corda, que ele depois recolhia. Para sair, a mesma coisa.

Além da marmita de angu, comiam das plantas, mas não havia nada além de umas frutinhas mirradas e cujo nome nem conheciam.

Exceto pelos cocos.

No chão, no alto das árvores, caindo sozinhos ou por sacudidas, eram a salvação para a sede e para a fome. E, em meio à indignidade, eram o que lhes dava prazer.

O talho do facão, a água entornada na boca, no pescoço, no peito, a casca rasgada, a polpa – era de se fechar os olhos e, por alguns minutos, morrer ou nascer de novo: de uma forma ou outra, imaginavam que talvez assim pudessem ser mais felizes.

Não se sabe quando, mas houve um dia em que um deles resolveu tirar toda a casca verde e as fibras e deu com a esfera marrom revestida com alguns pelos. Chacoalhou, jogou para o alto, rolou nas mãos e percebeu que todos o olhavam.

Atrás deles, um descampado. À frente, aos lados, mato. No alto, o meio-dia.

Voltaram, jogaram o coco no chão, largaram as ferramentas e, de botas, descalços, de chapéus ou sem, com ou sem camisa, as calças rotas, começaram a chutá-lo, e a correr, todos com todos contra todos para todos em lugar de todos, para todos os lados, indo e voltando e chutando e gritando e sorrindo e formando ondas, e caíam, levantavam-se, em volta tudo mato espesso, capim, arbusto, árvore, espinho, bambu e escuridão.

Só viam e sentiam que estavam ali, naquele clarão aparado, liso, iluminado, exaurindo-se, jogando, e abrindo outros cocos para beber sua água e comer sua polpa, e abrindo outros só para fazer novas bolas, e nem se lembravam das marmitas, das frutinhas, do capataz, do galpão, do caminhão, da corda que os trazia e tirava, de nada.

E não precisavam de fechar os olhos.

Tinham certeza de que haviam morrido ou de que estavam nascendo de novo.
________________________________
Luiz Guilherme Piva publicou "Eram todos camisa dez" e "A vida pela bola" – ambos pela Editora Iluminuras

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri