PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

São Paulo é apedrejado e castigado pelo Coritiba

Juca Kfouri

23/01/2021 20h56

Qualquer que fosse o placar de São Paulo x Coritiba o Inter entraria pressionado para enfrentar o Grêmio.

Independentemente de continuar ou não na liderança, porque Gre-Nal é Gre-Nal e ponto final. Ainda mais quando se está há 11 clássicos sem ganhar do rival.

Mas, é claro, ver o São Paulo na liderança acrescentaria alguma pressão, embora o empate no Gre-Nal mantivesse o Colorado à frente.

Pressionado mesmo, porém, estava o São Paulo em busca de sua primeira vitória em cinco jogos, em casa e contra um dos últimos com dez desfalques, além do técnico Gustavo Morínigo, com Covid-19.

Seu ônibus foi seriamente apedrejado no caminho do Morumbi e Gabriel Sara sentiu-se mal no aquecimento, trocado por Tchê Tchê na última hora.

Se o time já vinha em pânico há quatro partidas, imagine depois de sofrer um atentado.

Num primeiro tempo duro, de assistir, o time paranaense teve duas chances de gol, aos 5 e aos 15 minutos, que a cabeça de Galdezani desperdiçou, e o paulista outra, também de cabeça, com Brenner, aos 11'.

Pouco para quem quer ser campeão e o possível para quem quem não quer cair.

Essa coisa de ser campeão está mesmo difícil pelos lados tricolores.

Antes do jogo no gramado, o quinteto de basquete recebeu o Flamengo para decidir o Torneio Super8.

O São Paulo ganhou os três quartos e começou o último com 61 a 51, mas perdeu o jogo e o título por 79 a 71.

Quer, dizer, por enquanto, nem com o pé nem com a mão o São Paulo é campeão.

Para o segundo tempo Fernando Diniz trocou Bruno Alves por Vitor Bueno e Brenner por Pablo.

Aos 2', cara a cara com Tiago Volpi, Fogaça não fez o gol.

Diniz se esgoelava aos 10', e pedia "confiança para jogar".

O time coxa se defendia como podia e não sofria nem marcava a saída de bola tricolor, arma normalmente bem-sucedida dos adversários dos anfitriões.

Até que, aos 13', adivinhe quem fez o 1 a 0?

Reinaldo deu para Pablo fazer o pivô e passar para Luciano abrir o marcador e devolver a liderança ao Tricolor.

A pergunta que se impunha era óbvia: até quando?

Até o fim do jogo?

Se sim, a manterá contra o Atlético Goianiense, em Goiás, na próxima rodada? E contra o Palmeiras, na outra?

Bem, naquele momento interessava mesmo responder a primeira pergunta e Juanfran parecia querer colaborar com os coxas.

Só que eles baixaram as armas e o São Paulo tomou conta, com Pablo desperdiçando uma oportunidade imperdível para ampliar. Bem contra o rival do Furacão que o revelou…

Condenado, o Coritiba viu Neilton jogar o empate fora depois de vacilada monstruosa de Arboleda e pôs Ricardo Oliveira, 40 anos, aos 32'.

Por incrível que pareça o São Paulo, ganhando, permitia os contra-ataques do desfalcado antepenúltimo colocado do Covidão-20.

Ganhar era fundamental, mas recuperar a confiança também era.

E definitivamente não era triunfo capaz disso.

Aos 36', no entanto, nem triunfo era mais.

Porque Ricardo Oliveira puxou o contra-ataque e deu para o argentino, emprestado pelo colorado, Martin Sarrafiore empatar, aos 36'.

Parecia mentira, mas era verdade.

O portenho fazia pelo Inter o que jamais fizera e o São Paulo pôs Toró e Igor Vinicius nos lugares de Igor Gomes e Juanfran, aos 43' porque desespero pouco é bobagem.

O empate confirma o tamanho da crise e provavelmente o ônibus voltará sozinho para o centro de treinamentos.

Os vândalos devem estar felizes.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri