PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Palmeiras com Cebola e gols

Juca Kfouri

29/10/2020 20h54

Em menos de 30 minutos, em Bragança, o Palmeiras enfiava 3 a 0 no Bragantino.

Sem medo de perder, com vontade de ganhar.

Com o volante Felipe Melo no meio de campo e o técnico Andrey "Cebola" Lopes no banco.

Com velocidade, bola no chão, de pé em pé.

Fez 1 a 0 aos 5 minutos, com Raphael Veiga, em lançamento de Wesley e linda jogada de Zé Rafael, com direito à drible da vaca e cruzamento para trás.

Fosse o ex-treinador em atividade intermitente, e o Palmeiras trataria de garantir o resultado como visitante.

Nada disso.

Em novo contara-ataque, aos 18', pela direita, Wesley recebeu de Felipe Melo e soltou um torpedo para estufar a rede: 2 a 0.

Aí parou, não é?

Não, não parou.

E fez 3 a 0, aos 29', Luiz Adriano.

Risco o Verdão correu apenas dois, no mesmo lance, aos 39', quando Weverton fez boa defesa e Zé Rafael evitou o rebote nos pés de Tubarão, em gramado encharcado.

O Palmeiras jogava, sem sombra de dúvida, os melhores 45 minutos da temporada e assegurava sua vaga nas quartas de final da Copa do Brasil.

Com Rony e Wesley abertos pelas pontas, sem ligação direta, sem chuveirinho na área, o treinador Cebola impunha um novo tempero ao privilegiado elenco alviverde.

Faltava ainda o segundo tempo, é verdade.

Era de se prever que o Bragantino voltasse com tudo que tinha e que não tinha e que o Palmeiras, pensando no Galo que receberá na segunda-feira, tirasse um pouco o pé.

Havia muito tempo que as redes sociais alviverdes não manifestavam tanta alegria.

E Cebola aparecia por cima da carne-seca.

Eram 11 gols nos últimos três jogos, sem sofrer nenhum, graças ao abandono da burocracia acovardada dos tempos luxemburgueses.

Claro que, como sempre, Felipe Melo recebeu seu obrigatório cartão amarelo.

Somente aos 30' o Bragantino teve a chance de diminuir, mas, a exemplo do que fizera Zé Rafael no primeiro tempo, Lucas Lima, recém em campo no lugar de Raphael Veiga, dividiu na hora agá e evitou.

Willian também estava em campo, ao substituir Rony.

Mas o Verdão limitava-se a fazer o tempo passar e acabou, aos 37', sofrendo o gol do venezuelano Hurtado, por erro de passe de Gabriel Menino.

Ramires no lugar de Luiz Adriano, em seguida, assim como, logo depois, Scarpa substituiu Wesley.

Se o técnico Maurício Barbieri fosse Fernando Diniz diria que o Bragantino ganhou o segundo tempo por 1 a 0. E é verdade.

Mas Cebola ganhou de 3 a 0 o primeiro.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri