PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Mengão com muito brio, algum brilho e um certo sofrimento

Juca Kfouri

22/09/2020 21h08

O que explica a diferença de atuação do Flamengo, mesmo com tantos desfalques, em Guayquil se comparada com a de Quito?

Mesmo depois da incerteza se haveria ou não jogo?

Bem, primeiramente não cabe comparar o Independiente Del Valle com o Barcelona.

Basta dizer que o primeiro venceu seus três jogos e o segundo perdeu os quatro que disputou.

Mas a diferença mesmo está em brutais 2.846 metros.

Quito fica 2.850 metros acima do nível do mar.

A altitude de Guayaquil é de…4 metros.

Daí você não ter lido aqui críticas aos jogadores rubro-negros depois dos 5 a 0 em condições desumanas.

Daí você ler agora elogios, antes de mais nada, ao brio do time, todo escangalhado.

E ao desempenho desde o começo do jogo, com a bela arrancada de Gerson para dar a Pedro, com o diabo no corpo, o 1 a 0 logo aos 6 minutos.

E com o 2 a 0 por Arrascaeta, aos 26', com a classe que traz de berço, ao complementar, na marca do pênalti, boa jogada entre Pedro e Everton Ribeiro.

Só mesmo no fim do primeiro tempo os equatorianos deram algum calor, o suficiente para que Domènec Torrent tomasse providências para evitar sustos no segundo.

Mas não tomou.

Martinez diminuiu logo aos 48'.

Antes do 49º minuto, Arrascaeta deu o 3 a 1 para Pedro, mas ele perdeu, em milagre do goleiro.

O Flamengo desperdiçava bons ataques e tomava sustos, como, aos 61', meio sem querer, Rodrigo Caio salvou o empate com César já vencido.

Não era jogo para sofrer, mas o Flamengo sofria.

Pior, não tinha muito o que mudar porque o banco era um verdadeiro Jardim de Infância.

Os equatorianos renovavam seus pulmões e o Flamengo só mexeu, porque Pedro pediu, aos 72', e Lincoln entrou.

Lembremos que por mais farto que seja o elenco rubro-negro, a ausência de 11 jogadores, sete pela Covid-19, outros quatro ou por lesão ou por suspensão, é insuportável.

Ramon, outro menino, substituiu Thuller, aos 74'.

Empatar não seria péssimo, mas vencer seria excelente.

Era evidente o desgaste do campeão da Libertadores, que se defendia como podia.

Sorte que o Barcelona é ruim.

O Flamengo está praticamente nas oitavas da Covidadores -2020.

Quarta-feira que vem receberá o Del Valle, sabe-se lá com que time.

No domingo está previsto enfrentar o Palmeiras, em São Paulo, mas o Flamengo pediu adiamento à CBF. É o mínimo que deve ser concedido.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri