PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Vozão é bicampeão do Nordeste

Juca Kfouri

04/08/2020 22h16

Antes de começar o 47º jogo entre Bahia e Ceará, o que decidiu a Copa do Nordeste, havia rigoroso empate entre os dois times: 16 vitórias para cada lado e 14 empates.

A única vantagem estava nos gols feitos pelo tricolor, dois a mais, 56 a 54.

Porque vantagem mesmo tinha o Vozão, que havia ganhado o jogo de ida por 3 a 1.

Nos bancos do pandêmico estádio vazio do Pituaçu, Guto Ferreira, o Gordiola, e Roger Machado, que parece casado com o Bahia.

A torcida do Vitória secava o rival para não vê-lo chegar ao quarto título e dividir com ele o orgulho de ser o maior campeão do belo torneio.

A do Fortaleza fazia o mesmo, para que o Ceará não o superasse ao vencer o segundo título.

Por mais que o Bahia quisesse, o Ceará não deu chances durante todo o primeiro tempo, ao manter o placar inalterado e explorar a ansiedade baiana.

Já no segundo tempo a ansiedade virou desespero, a ponto de Rodriguinho perder a cabeça e achar um pontapé num rival.

Aos 15 minutos, fim de papo.

O centroavante Cléber Bomfim de Jesus, 23 anos, 1,99m, fez 1 a 0 para o Vozão e o Bahia teria de fazer três gols.

O Ceará repetia a campanha invicta de 2015 quando também disputou as finais contra o Bahia e também venceu as duas partidas, por 1 a 0 e 2 a 1, na Fonte Nova e no Castelão respectivamente.

Nesta edição, os dois jogos foram em Salvador, o que só faz aumentar a façanha do Vozão bicampeão, rimas e solução.

De quebra, agora tem uma vitória a a mais sobre o Bahia.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri