PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Carta aos meus filhos

Juca Kfouri

14/07/2020 21h00

Por MÁRCIO CHAGAS DA SILVA, ex-árbitro de futebol e comentarista esportivo da RBS TV

Ressignificar a vida é importante para que possamos entender que não existe verdade absoluta e, a partir dos aprendizados, tentar fazer algo coerente com o que acreditamos ser o correto e urgente.null

Anos atrás,  assisti a um dos filmes mais belos que já vi: "O Mordomo da Casa Branca". O ator Forest Whitaker passa a trabalhar em um hotel ao deixar a fazenda onde cresceu. Sua vida dá uma grande guinada quando tem a oportunidade de trabalhar na Casa Branca, servindo ao presidente do seu país, além de políticos e convidados. Porém, as exigências do trabalho geram conflitos em casa, com sua família. Principalmente seu filho, que não aceita a passividade do pai diante dos maus tratos recebidos pelos negros nos Estados Unidos. O pai, por sua vez, acredita que tanto a subalternidade quanto a falta de questionamento seriam a maneira correta de sobreviver. E, assim, formar sua família e se manter no mercado de trabalho. 

Quantos negros crescem ouvindo que seu lugar é servindo? E que aceitar calado é a maneira correta para resistir aos atos de covardia da branquitude? Faço essa referência após ler a entrevista do ativista negro Oswaldo Camargo, pai de Sérgio Camargo, Presidente da Fundação Zumbi dos Palmares.

Quero que meus filhos entendam e deem continuidade à luta antirracista. Que saibam e respeitem a luta dos seus ancestrais e dos movimentos negros que resistem há anos num país que nega a possibilidade de equiparação. 

Sempre que vejo o Sérgio Camargo falando, lembro do trecho de uma canção dos Racionais, chamada Capítulo 4 Versículo 3: "Em troca de dinheiro e um cargo bom/ Tem mano que rebola e usa até batom/ Vários patrícios falam merda pra todo mundo rir/ Pra ver branquinho aplaudir.".

Fico triste de ver um pai que lutou por igualdade, e desde os 19 anos faz parte do ativismo negro, ter que dizer sobre o filho que "seu caminho não é o meu", como disse Oswaldo Camargo sobre o filho Sérgio. Ao falar de Oswaldo e Sérgio falo também de mim, de meu pai Celso, o Buda, e dos meus filhos, Miguel e Joana. Contemplo a minha árvore genealógica mas, principalmente, reflito sobre os negros e negras que vieram antes de mim e os que ainda chegarão neste mundo. Que meus filhos tenham liberdade de escolher seus próprios combates e como enfrentá-los, mas desejo que o façam honrando meus ancestrais e que sigam na luta antirracista.

Que meus filhos não se vendam contra a história do seu povo por um cargo, com pessoas que não nos respeitam.

Respeitem as lideranças negras que lutaram por uma sociedade igualitária e equânime. Não aceitem calados o silenciamento imposto pelo opressor racista. Orgulhem-se de quem vocês são e da força que carregam. Orgulhem-se da semente plantada pelos guerreiros contra o racismo. Essa semente, orgulhosamente, sempre fertilizará a nossa terra.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri