PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

The English Game e o Jogo Brasileiro

Juca Kfouri

03/06/2020 09h23

Por RODRIGO R. MONTEIRO DE CASTRO

A série The English Game, disponível na Netflix, narra, a partir de fatos reais, o que seria a origem do futebol moderno: a tensão, na década de 1880, entre a nobreza e a classe trabalhadora, e a surpreendente conscientização do primeiro astro do futebol – Arthur Kinnaird, filho do 10o Lord Kinnaird, controlador do banco Bouverie & Co – de que o esporte bretão não se confinaria ao seu ciclo criador, mas se espalharia pelo império e por todos os continentes e funcionaria como instrumento de inserção e reparação social – e desenvolvimento econômico.

Kinnaird jogava pelo tradicional Old Etonians, timeamador que contava, em suas fileiras, com o presidente da Football Association. Participavam daassociação, como espécies de sacos de pancada, dois times formados por trabalhadores industriais, o Darwen e o Blackburn, cujos jogadores dispunham de pouco tempo para treinar, pois se dedicavam a longas e duras rotinas de labuta.

A hegemonia elitista começa a ser subvertida quando o patrão e patrono do Darwen contrata o jogador escocês Fergus Suter, pagando-lhe pela transferência e pela atuação – fato que talvez o tenhatransformado no primeiro jogador profissional de futebol da história e que expressava uma heresia aos padrões convencionais. 

Apesar do investimento, o propósito não é alcançado e, após duas temporadas – ou a participação em duas Copas da Inglaterra –, a supremacia nobiliárquica se confirma. 

O fracasso motiva o patrono do Blackburn, que reconhecia em Fergus Suter o futuro do futebol, a oferecer-lhe mais dinheiro para mudar outra vez de time. O episódio consiste em duplo escândalo: a evidência do profissionalismo, que era proibido, e a transferência do jogador a um time rival – pois,apesar da mesma origem operária, ambos cultivavam declarada hostilidade um pelo outro. 

A estratégia funciona e o Blackburn vai à final da Copa, contra o Old Etonians, de Kinnaird. 

Aí as estruturas de poder começam a agir – ou reagir. Em reunião da (e na) Football Association, sem a presença de Kinnaird, o colegiado delibera a expulsão dos dois times envolvidos nas negociações do jogador profissional, por conta das ofertas e pagamentos de remuneração em contrapartida à atuação esportiva. 

Por trás da decisão, revelavam-se duas motivações: o temor do que a força trabalhadora representava (ou poderia representar) e a tentativa de preservar o esporte como prática da elite. 

Naquele momento, porém, Kinnaird já havia se conscientizado da relevância e da função do futebol, e encontra um meio legítimo para tentar reverter a deliberação; convicto de sua missão, atinge seu propósito, impondo uma derrota aos seus pares. 

O Blackburn é confirmado na final e, em partida assistida por nobres e proletários, sagra-se campeão pela primeira vez (com gols de Fergus Suter, para o campeão, e de Kinnaird, para o vice). O feito marca o fim da preponderância amadorística na Inglaterra. 

Ali se plantaram, pois, as sementes para que, mais de um século depois, aproximadamente 4 bilhões de pessoas, espalhadas por todos os países do planeta, praticassem ou acompanhassem o futebol. 

Respeitadas as diferenças – inclusive por motivos temporais – o jogo brasileiro se encontra num momento comparável: a estrutura cartolarial, sustentáculo da perseverança associativa, é defendida não pelas suas qualidades atuais, mas por interesses egoísticos, e resiste, indignamente, em seu projeto de poder. 

Porém, a realidade do futebol não é mais a brasileira. A supremacia transformou-se em lenda e, agora, caminha, assim como o País, para o desprezo. O 7×1, apesar de que provavelmente nunca mais ocorra, não foi um evento fortuito; tratou-se de um sintoma. 

É isso, infelizmente: os times brasileiros, em sua grande maioria, estão quebrados, e se organizam como exportadores de pé-de-obra; os jovens atravessam o oceano atlântico ainda em fase de formação e são transformados (ou formados) por lá; o campeonato brasileiro interessa apenas aos locais, não atraindo atenção mundial; a CBF convoca seus jogadores junto a times europeus (todos, ou quase todos, constituídos sob a forma de empresa), o que justifica, em parte, sua timidíssima atuação na construção de uma solução sistêmica; os transmissores de jogos apostam apenas na manutenção do espetáculo circense, que satisfaz as massas duas ou mais vezes por semana e não se preocupam com a qualidade do ambiente; e a classe cartolarial, no topo dessa cadeia destrutiva,alimenta-se do caos e de seus dogmas. 

A defesa que determinados agentes ou agrupamentos fazem da estrutura do futebol atenta contra os brasileiros e contra o Brasil. É desonesta porque ludibria e dissimula a preservação (ou o atingimento) de interesses pessoais ou de pequenos e poucos grupos político-clubísticos. É desastrosa, portanto, ao jogo brasileiro. 

E ainda pior: não pode ser comparada ao dilema inglês do século XIX. Naquele momento, apesar de equivocada, a crença elitista realmente pretendia a preservação do futebol; havia ao menos nobreza – não no sentido classista, mas sim do próprio sentimento – em sua essência.

Mesmo assim, não se obstaculizou o curso da história e o desenvolvimento de uma atividade vocacionada à integração, à inserção e à geração de oportunidades; ao contrário do que, no Brasil, se vem defendendo – e fazendo –, com intensidade e intransigência, desde a década de 1990. 

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri