PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Visita de Landim a Bolsonaro foi agressão ao Flamengo

Juca Kfouri

24/05/2020 12h00

POR LUIZ FERNANDO GOMES, no Lance!

O Flamengo tem todo o direito de querer brigar pela volta imediata do futebol. Todos nós queremos que a bola volte a rolar o mais rapidamente possível. Mas há uma grande diferença entre a defesa democrática e legítima de seus pontos de vista e o atropelo das determinações legais, o desafio escancarado à autoridade pública.

O Brasil é um país cada vez mais dividido. Os que acreditavam que o enfrentamento à pandemia pudesse unir a Nação em torno de um objetivo comum, deram simplesmente com os burros n'água. A cada milhar de mortos – e em breve alcançaremos a aterrorizante marca de 25 mil – mais a irracionalidade se impõe e as diferenças descambam para o perigoso caminho do confronto. Há os que estão à direita ou à esquerda, ao lado da ciência ou do achismo, em defesa da vida ou em defesa do bolso. Sem meio termo.

Neste cenário, de uma guerra civil sem armas – e esperamos não chegar a esse ponto – foi um gesto de absoluta imprudência, mas não seria um exagero chamar-se de também de arrogância, a visita dos presidentes do Flamengo, Rodolfo Landim, e do Vasco, Alexandre Campello, ao Palácio do Planalto essa semana. A versão de que o encontro com o presidente da República foi por acaso, é patética, beira o ridículo. Obviamente foi um gesto pensando, de apoio ao fim do distanciamento social, uma obsessão de Bolsonaro, e em busca de apoio para acelerar o retorno do futebol já, como parte da cartolagem quer.

Campelo foi mais comedido. Eu, pelo menos, não vi nenhuma foto de Bolsonaro vestindo a camisa cruzmaltina – embora o presidente que é palmeirense se diga vascaíno no Rio. Talvez tenha tido um lampejo de bom senso. E percebido a tempo que opiniões pessoais dele, ou de qualquer grupo que dirija um clube como o Vasco ou o Flamengo não podem jamais se sobrepor à necessária e obrigatória preservação da instituição e de seus valores.

Política e futebol sempre se misturaram. E essa mistura nunca deu certo. Sempre foi marcada pelo fisiologismo, o oportunismo ou, como nos anos de chumbo do governo Medici, serviu de cortina às arbitrariedades e à violência que corriam solta nos porões ditadura. Medici, é bom refrescar a memória, vestia a camisa do Flamengo, ia para o estádio com radinho de pilha no ouvido, enquanto o som que se ouvia nos Dops e Doi-codis da vida era o grito dos torturados.

Grêmio e Internacional, Cruzeiro e Atlético têm pontos de vista semelhantes ao de Flamengo e Vasco. Voltaram a treinar, mas antes criaram protocolos de segurança discutidos e aprovados pelas autoridades de saúde, os governos dos estados e as prefeituras. E é assim que deve ser feito. Não se viu os presidentes desses clubes fazendo lobby ou demagogia nos corredores do Planalto. Não se viu o presidente da República posando para fotos fantasiado de tricolor, colorado, cruzeirense ou atleticano. 

O comportamento arrogante, irresponsável e temerário do presidente do Flamengo, é, antes de tudo, um desrespeito às tradições rubro-negras, à instituição e a sua torcida. É óbvio que há, na gigantesca Nação Rubro-Negra, em todo o país, milhões que defendem tudo o que ele defende, que pensam como ele. Que acreditam no discurso do presidente Bolsonaro. Outros tantos milhões, não concordam com nada disso, veem nas atitudes do bolsonarismo um passo para o retrocesso institucional.

Seja de um lado ou de outro, contudo, há uma imensa massa dos que se sentiram agredidos de ver o Flamengo, sua paixão, mergulhada no coração de uma crise, desse bateu-levou que faz o Brasil naufragar.

O Flamengo, consolem-se estes, é, e sempre será, muito maior do que seus dirigentes. Muito maior do que tudo isso!!!

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri