PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Repito: a Azzurra mereceu a vitória no Sarriá

Juca Kfouri

10/04/2020 10h00

Amanhã o SporTV reapresentará o fatídico Itália x Brasil na Copa do Mundo de 1982, às 17h30.

Não espere o empate…

Por JUCA KFOURI*

Ah, Sarriá!

É claro que rever Sarriá não passa impunemente. E revi.

E escrevi no Lance! (em 15 de fevereiro) que a vitória italiana foi justa.

E recebi muitas mensagens.

É curioso.

As mensagens de apoio, muito mais do que imaginei, são todas de gente que era madura em 1982.

As de crítica, todas de quem tinha onze ou doze anos à época.

Um leitor chegou a escrever que eu estava contrariando tudo o que ele "ouvia" falar do jogo.

Pois eu era maduro, estava lá e tinha na memória uma partida diferente da que foi.

Talvez porque, como me escreveu tio Alberto Helena Jr., aquela seleção não pudesse ser avaliada apenas por um jogo, e sim pelo conjunto da obra.

Obra que, se teve uma vitória arrumada pela arbitragem diante da União Soviética (Luizinho fez dois pênaltis claríssimos não-marcados), teve exibições magníficas contra as fracas Escócia e Nova Zelândia e contra a fortíssima Argentina, numa tarde em que Valdir Peres fez três defesas fundamentais.

Ora, a Itália só tinha empatado na primeira fase, marcando dois gols em três jogos diante de Polônia, Peru e Camarões, e ganhado, bem, da Argentina, em sua estréia na segunda etapa.

A própria imprensa italiana estava enfurecida, tanto que os jogadores da Azzurra nem falavam com os jornalistas.

Acontece que, acostumados a olhar para o próprio umbigo, nos esquecemos de que a Itália havia batido a camp mundial Argentina (que, portanto, enfrentou o Brasil desesperada, de moral baixo).

E de que, depois da brilhante vitória no Sarriá, ela passaria por cima da Polônia (com quem havia empatado na primeira fase e que, com Zmuda, Lato, Boniek e Szarmach, acabou em terceiro lugar, à frente da França de Amoros, Trésor, Tigana, Giresse, Genghini, Rocheteau e, sobretudo, Platini).

Ou seja, ter empatado com a Polônia não desmoralizava ninguém – e mesmo a seleção de Camarões, já com Milla, saiu invicta da Espanha, porque também empatou seus três primeiros jogos.

Finalmente, a Itália bailou sobre a Alemanha na decisão, 3 a 1 com direito a pênalti desperdiçado pelo exuberante Cabrini coisa que também vi, no Santiago Bernabeu, estádio do Real Madrid.

No segundo tempo, quando saíram os quatro gols, os alemães quase não tocaram na bola e só diminuíram no fim do jogo.

Por tudo isso, apesar da aparente heresia com o time de Telê Santana, é que não me aflijo ao ser acusado de revisionismo em relação à Copa do Mundo de 1982.

Repito o que escrevi no Lance!: aquele time tinha seis jogadores maravilhosos (Leandro, Júnior, Cerezo, Sócrates, Zico e Falcão, escolhido como o segundo melhor da Copa, atrás de Paolo Rossi), mas foi inferior ao italiano no dia 5 de julho, diante de 44 mil pessoas.

E não era melhor do que os times de 1958, 1962 e 1970.

O que, é bom que se diga, não o desabona.

*(Extraído do livro "Meninos, eu vi", de Juca Kfouri, editoras DBA/Lance!)

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri