PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Lorotas são comuns também no mundo da bola

Juca Kfouri

01/04/2020 13h00

POR VITOR GUEDES*

Pega na mentira, pega na mentira, corta o rabo dela, pisa em cima, bate nela, pega na mentira…

Alô, povão, agora é fé!

Aproveitando o dia da mentira, reforcemos que a OMS não disse para afrouxar o isolamento, como, outra vez, mentiu Bolsonaro, e lembremos algumas das maiores lorotas que ouvi nos meus 43 anos de vida e 25 de jornalismo.

Carlos Alberto Parreira, em 2014, às vésperas do Mundial do 7 a 1 no Rio:

"A CBF é um exemplo para o Brasil. É o Brasil que deu certo, que dá certo". Não merece nem comentário.

Júlio César Casares, em 2006, quando era diretor de marketing do São Paulo:

"Vamos conseguir ser a maior torcida do país".

De lá para cá, o Tricolor continua, em empate técnico, numericamente à frente da torcida palmeirense, mas viu aumentar, em todas as pesquisas, a enorme distância que o separa de Flamengo e Corinthians.

Andrés Sanchez, em 2013, na reta final da construção do estádio que abriria a Copa-2014:

"Vamos pagar a Arena Corinthians em seis anos".

Estamos em 2020. E ninguém sabe se em 2026, ou seja, em seis anos, a obra estará quitada.

Maurício Galiotte, em 8 de abril de 2017:

"Eu digo ao torcedor palmeirense: esqueçam esse campeonato. O Palmeiras é muito maior do que um Paulistinha".

Até hoje, o presidente do Alviverde não esqueceu a festa do maior rival no Allianz. Teve até tentativa de reverter a decisão no tapetão!

Parabéns, Corinthians, por lembrar ontem (aniversário do ignóbil Golpe de 1964), em seus canais oficiais, a Democracia Corinthiana e, novamente, manter-se fiel a sua história e ao lado decente da história do país, o lado adversário à ditadura abjeta, à tortura desumana, à censura autoritária, ao fascismo vil e à barbárie que coloca a economia à frente da vida.

Se puder, escute a OMS e não o lunático que preside o país e fique em casa. Vai passar!

Eduardo Galeano: "Na luta do bem contra o mal, é sempre o povo que morre".

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

*Vitor Guedes, 43 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio.

**Artigo publicado originalmente no jornal "Agora".

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri