Topo

Histórico

Categorias

O São Paulo odeia o são-paulino

Juca Kfouri

18/10/2019 17h44

POR LUCCA BOPP*

Avisem a família e os vizinhos; ligue para os amigos ou espalhe nos corredores do trabalho: o São Paulo enlouqueceu. Ou escolheu a alienação voluntária como forma de viver. Só uma dessas hipóteses explica a queda livre que já dura anos.

O descolamento da realidade acontece de cima a baixo, nos menores e maiores gestos. E o mais assustador é que o clube parece não se incomodar com essa posição de alheio de si e dos seus. Por isso, vou enumerar alguns delírios do São Paulo nos últimos doze meses – se o recorte fosse maior, as linhas se fariam insuficientes. Vai que alguma pessoa lúcida e sensível da Barra Funda, Cotia ou Morumbi dá uma lida. Vamos a eles:

– Demitir Diego Aguirre e colocar André Jardine no cargo, faltando cinco rodadas para acabar o Campeonato Brasileiro

–Manter Jucilei no elenco depois de entregar um gol contra o Vasco, ao dar um passe pro lado e olhar para o outro, quando o time ainda brigava pela vaga na fase de grupos da Libertadores

–Efetivar André Jardine, acreditando que um sub-técnico conquistaria a América (ou qualquer coisa)

–Reforçar o elenco com William Farias, Biro-Biro e Marquinhos Calazans, jogadores sem a menor condição de vestir essa camisa

–Contratar técnico a prazo, esperando Cuca se recuperar e deixando o time com o eterno quebra-galho Vagner Mancini no momento mais agudo do Estadual

–Perder para todos os rivais, mais uma vez

–Tratar com normalidade a segunda eliminação precoce e sem marcar gols do ano, contra o Bahia

–Aumentar o preço dos ingressos em todos os jogos mais importantes

–Ignorar a evidente incompetência do departamento médico, da fisiologia e da preparação física

–Aceitar a recusa do Hudson em não jogar mais de lateral direito e não tê-lo dispensado depois disso

–Cobrar R$5 dos torcedores na apresentação do Daniel Alves

– Liberar jogadores para jogos das seleções de base ou treinos com a seleção principal

–Vencer menos de dez partidas no Morumbi, em 2019

–Abaixar a cabeça para a empresa que fornece o material esportivo e jogar de azul como mandante, no jogo mais midiático dos últimos tempos

–Ser o clube da Serie A com menos gols no ano

–Ter o pior ataque de toda sua história, depois de 50 jogos

–Produzir vídeos alegrinhos no seu canal de Youtube, como se nada estivesse acontecendo

Daria para colocar mais, mas acho que essa lista dá a medida do caos. Ainda bem que, como as conquistas, as lágrimas do são-paulino também secaram. Hoje somos vinte milhões de indignados, vivendo alegrias do tamanho do nosso pavio. Então qualquer erro de passe é, sim, motivo para alarido no estádio. Um primeiro tempo sofrível contra o CSA é, sim, motivo para vaias. Postar foto sorrindo no Instagram com o time em crise é, sim, motivo para ler as cornetas nos comentários. Declarações protocolares e blasés depois das derrotas são, sim, motivo para pressão.

Tudo feito de forma pacífica, evidentemente. A violência nunca, sob hipótese alguma, é uma opção.

Não será qualquer vitória em clássico ou sequência positiva de resultados que acalmará os tricolores. O que a gente quer é uma transformação profunda na mentalidade.

Porque, mais do que competência, falta noção e empatia aos representantes do clube: dirigentes, treinadores e jogadores. Eles parecem não fazer a menor ideia do mal que estão causando aos milhões de trabalhadores e trabalhadoras que têm no São Paulo um abrigo emocional. As pessoas gastam o que têm e o que não têm por esse clube, atravessam quilômetros para estar perto, lotam o Morumbi há anos… e ganham o que em troca?

Pior: essa reciprocidade nula provocou uma carência tão grande nos são-paulinos que hoje existe uma certa exaltação à mediocridade. O status de ídolo dado ao Reinaldo não me deixa mentir. A euforia pela vinda do Pato, também. O hype em torno do Bruno Alves, então, nem se fala. Mas o são-paulino não tem culpa. Se não inventar motivos e figuras para se apegar, vai terminar como o clube que torce: maluco.

O São Paulo tem de ser interditado. Mas, enquanto isso não acontece, só nos resta sofrer com as alucinações de um clube que não perde a pose.

E observar o caso mais perverso de amor não correspondido: o são-paulino ama o São Paulo, mas o São Paulo odeia o são-paulino.

*Lucca Bopp é publicitário.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri