Topo
Blog do Juca Kfouri

Blog do Juca Kfouri

Categorias

Histórico

Hackeando o que importa

Juca Kfouri

2010-06-20T19:18:30

10/06/2019 18h30

Nas guerras, é sabido, mentir é a arma mais usada.

Informações e contra-informações combatem ferozmente.

Estamos assistindo um momento desses.

Quem informa afasta a ideia de ser produto de hackers as graves revelações que fez.

Quem contra-informa dá de barato que são frutos de invasões ilegais.

Esqueça os vazamentos de Sérgio Moro, até aquelas sobre as quais teve de pedir desculpas ao STF, que lhe passou um pito e ficou por isso mesmo.

Mas, e se as informações do The Intercept, comandado pelo jornalista e advogado Glen Greenwald, ganhador dos maiores prêmios jornalísticos dos Estados Unidos e do Brasil, o Pulitzer e o Esso, foram fornecidas por alguém que, fruto de exame de consciência, participou das conversas e resolveu revelá-las?

Só não mudará uma constatação: Moro não agiu como juiz, mas como promotor.

E a Constituição é clara sobre o tema.

O artigo 129 da Constituição determina que o Ministério Público é o único a ter a prerrogativa de conduzir uma ação penal pública, como publicou o sítio "Poder 360".

Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público:
I – promover, privativamente, a ação penal pública, na forma da lei.

Há também o artigo 95 da Carta Magna que proíbe juízes de terem "atividade político-partidária".

Já o Código de Processo Penal, em seu artigo 254, determina que "o juiz dar-se-á por suspeito" em algumas situações que se assemelham ao que está no conteúdo das conversas de Moro com Dallagnol –pois o procurador era uma das partes (a que fazia a acusação) no processo da Lava Jato:

CPP, Art. 254. O juiz dar-se-á por suspeito, e, se não o fizer, poderá ser recusado por qualquer das partes:
I – se for amigo íntimo ou inimigo capital de qualquer deles;
II – se ele, seu cônjuge, ascendente ou descendente, estiver respondendo a processo por fato análogo, sobre cujo caráter criminoso haja controvérsia;
III – se ele, seu cônjuge, ou parente, consanguíneo, ou afim, até o terceiro grau, inclusive, sustentar demanda ou responder a processo que tenha de ser julgado por qualquer das partes;
IV – se tiver aconselhado qualquer das partes;
V – se for credor ou devedor, tutor ou curador, de qualquer das partes;
VI – se for sócio, acionista ou administrador de sociedade interessada no processo.

Discutir a origem do fato em vez de o próprio fato é mero diversionismo.

Que não cola.

Tentar desqualificar o jornalista por ser de esquerda, ou casado com quem quer que seja, revela apenas o desespero dos que fizeram herói um reles justiceiro.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999. Atualmente está também na ESPN-Brasil. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Mais Blog do Juca Kfouri