PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Bahia despacha o São Paulo com o pé nas costas

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

29/05/2019 23h22

Na Fonte Nova o Bahia foi para cima do São Paulo e não quis saber da vantagem obtida no Morumbi.

Criou três chances de gol, diminuiu o ritmo e acabou levando um susto, num tirambaço de Helinho no travessão já no fim do primeiro tempo.

Para o segundo tempo Pato entrou no lugar de Everton, machucado.

Mas, aos 8 minutos, o zagueiro Ernando aproveitou, enfim, um contra-ataque puxado por Arthur e pôs o Bahia na frente: 1 a 0.

Ou seja, 2 a 0 no placar agregado pela Copa do Brasil.

O São Paulo seguia virgem de Copa do Brasil e terá apenas o Campeonato Brasileiro para tentar ser campeão, algo mais que improvável.

Hudson saiu e Igor Gomes entrou, aos 14', na segunda mexida de Cuca.

Roger Machado apenas saboreava a terceira partida seguida em que seu time jogava melhor que o adversário paulista.

Mas Cuca tentava e punha Nenê no lugar de Helinho, aos 18'.

Arthur Caique substituiu Élber, aos 27', diante de mais de 36 mil torcedores felizes da vida e na expectativa de que outro contra-ataque resultasse em mais um gol.

Pato insistia em jogar com as asas em vez de jogar com os pés.

Flávio, aos 34', no lugar de Douglas Augusto.

O São Paulo ainda tinha tempo para buscar dois gols, mas dependia de um milagre na terra dos Orixás.

Fernandão foi a última mexida de Roger Machado, no lugar de Gilberto, aos 38'.

Aos 40', Fernandão foi agarrado por Arboleda na entrada da área, o são-paulino foi bem expulso Caike quase fez 2 a 0 na cobrança.

Na verdade, foi fácil, extremamente fácil para o Bahia.

Enquanto isso, em Porto Alegre, com dois gols de Felipe Vizeu, um em cada tempo, mesmo com um pênalti desperdiçado, o Grêmio também chegou às quartas de final ao ganhar do Juventude por 3 a 0, como era de se esperar, terceiro gol de Diego Tardelli, que substituiu Vizeu.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri