Topo

Histórico

Categorias

Por que os salvadores sempre voltam?

Juca Kfouri

17/03/2019 09h54

POR ANTONIO CARLOS SALLES*

Zinedine Zidane está de volta ao Real Madrid depois de uma trajetória exuberante de títulos conquistados. Um daqueles raros casos do empregado que demitiu o patrão, que não se fez de rogado ao buscá-lo de volta.

O retorno de Zizu é uma aposta alta para trazer de volta o time merengue à ribalta do futebol mundial, revigorar o elenco e impor uma nova postura, de tática, gana e valores. Tirar o mofo e dar brilho ao time.

No Real Madrid, nunca há escassez de recursos.

Fábio Carrile fez percurso semelhante ao de Zidane, depois de impressionante arrancada em seu primeiro grande desafio num time de massa, embora ao sair, seu projeto internacional vislumbrasse outros cenários e mercados.

Carrile tem fama de recuperar jogadores "largados", fazer apostas certeiras e produzir uma ambição pelos resultados capaz de unir elencos dissonantes.

Há recursos pontuais, que nem sempre se mantêm na temporada seguinte.

Luiz Felipe Scolari está vivendo desde o ano passado o seu momento "Zidane", com elenco farto recheado de estrelas. Essa constelação ainda não brilhou como a torcida espera.

Mas não importa o resultado obtido, Scolari sempre será um ícone para a torcida palmeirense e seu nome tem irrestrito apoio.

O dinheiro da patrocinadora é farto.

Para os torcedores do São Paulo, o nome salvador seria Muricy Ramalho, se ainda estivesse na ativa.

Pelos investimentos do começo do ano, há dúvidas sobre sua existência.

Salvadores significam história e resultados. Os dois se juntam para dar o arcabouço de proteção ao trabalho em curso, administrar a paciência da torcida e afastar o olho gordo da concorrência, sempre rondando o vestiário alheio.

A história dos clubes registra salvadores eméritos, que vieram, foram e voltaram, suportados pela mística da chacoalhada no elenco, da injeção de ânimo e do lema "aqui é trabalho, meu filho", como catequizou o professor Ramalho.

Zé Duarte, na Ponte e Guarani, Celso Roth (Grêmio e Inter), Abel Braga e Joel Santana, em quase todos os clubes do Rio. Emerson Leão e Vanderlei Luxemburgo também foram chamados quando os times iam ladeira abaixo.

América-AM e Manchester United fugiram à regra. Amadeu Teixeira dirigiu o clube amazonense por mais de 53 anos. Alex Ferguson esteve à frente do MU por 27 anos.

*Antonio Carlos Salles é jornalista.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri