Blog do Juca Kfouri

Quero o meu basquete de volta

Juca Kfouri

Adoro basquete, esporte que pratiquei federado pelo Paulistano dos 14 aos 19 anos, dois anos na categoria infantil, outros como juvenil e apenas uma temporada no time principal, mais no banco que jogando.

Parei ao participar de jogo contra o Corinthians no ginásio do Jardim América, 135 a 60 para o Alvinegro que tinha Amaury Pasos, Wlamir Marques, Ubiratã, Rosa Branca, Renê, além de Peninha, Edvar , Mical na reserva.

Um timaço repleto de campeões mundiais que me mostraram jogar um esporte diferente do meu e inalcançável.

Fui tratar de minha vida, pois comecei a trabalhar com 17 anos de idade.

Mas sempre acompanhei o basquete e não perco, hoje em dia, os jogos do Golden State, como não perdia os de Michael Jordan, o Pelé do bola ao cesto.

Daí dar força à NBB, tentativa de recuperar o prestígio do basquete nacional.

Hoje, diante de um Flamengo x Corinthians, tentei ver o jogo em detrimento de Arsenal x Liverpool, pela Premier League.

Tristemente, desisti, diante do baixo nível técnico, dos erros infantis, da dificuldade dos dois times em converter bolas de três pontos, dos passes equivocados.

A diferença entre a NBA e a NBB é ainda maior que existente entre a Premier League e o Brasileirão.

Na Arena Carioca 1 mais vazia que cheia, o atual pentacampeão da NBB Flamengo acabou por vencer o tetracampeão da CBB, em priscas eras, Corinthians, estreante na NBB, por 72 a 64.

Havia 21 anos que os dois times dos clubes mais populares do país não se enfrentavam.

Então, o Alvinegro de Oscar Mão Santa, venceu por 107 a 101.

E veja que o basquete brasileiro já não era o que tinha sido na década de 1960.

Ah, Arsenal e Liverpool empataram, em Londres, 1 a 1, num jogaço.