Blog do Juca Kfouri

Cruzeiro, o maior campeão da Copa do Brasil!

Juca Kfouri

O Cruzeiro é o primeiro hexacampeão da Copa do Brasil.

Porque, a exemplo, do que aconteceu no Mineirão, só ele jogou durante todo o primeiro tempo em Itaquera.

Enquanto o Corinthians teve, aos 36 minutos, uma cabeçada perigosa de Henrique, o Cruzeiro já havia feito seu gol com Robinho, aos 27, pegando o rebote de uma bola na trave chutada por Barcos.

O garoto Léo Santos, já marcado por falhas nos gols do Colo-Colo e do Palmeiras, falhou mais uma vez ao permitir que Rafinha lhe roubasse uma bola mal passada, em vez de jogá-la para fora.

Depois, com Dedé, o Cruzeiro acertou outra bola na trave corintiana.

Pilhado e inoperante, em 25 minutos o Alvinegro teve três jogadores punidos com cartões amarelos: Ralf, Gabriel e Emerson Sheik.

Também a exemplo do jogo de ida, o Cruzeiro mereceu ir para o vestiário com 3 a 0, mas foi só com 1 a 0, que, diga-se, era mais que suficiente.

Pensar numa virada corintiana só se a Fiel entrasse no gramado.

A diferença entre os dois times é simplesmente abissal.

Se com 0 a 0 o Cruzeiro não sofreu, não seria com vantagem que sofreria.

Ou sofreria?

Bem, os paulistas foram para pressão no começo do jogo e, com a colaboração do VAR, foi marcado pênalti de Thiago Neves em Ralf. Pênalti, huuuummmm…

Jadson bateu e empatou, aos 8′, no primeiro chute alvinegro dentro do gol.

A Fiel não desceu, mas ensandeceu.

E o time, aos trancos e barrancos, respondeu.

Mano Menezes pôs Arrascaeta no jogo aos 22 e Jair Ventura trocou o poste Jonathan por Pedrinho.

Que, aos 24, de fora da área, fez um golaço, anulado pelo VAR por falta de Jadson em Dedé na grande área e ainda deu cartão amarelo para o corintiano. Huuuummmm…

Segunda lambança do VAR.

A CBF consegue tudo! No Brasil, o VAR compensa, diante de 45.978 torcedores.

O mesmo VAR que incendiou Itaquera, jogou um balde de água fria no estádio, ao compensar o erro anterior.

Aos 28′, Raniel entrou no lugar de Barcos, com o Cruzeiro evidentemente em sofrimento.

Quatro minutos depois, saiu Sheik, entrou Clayson, e, depois, Matheus Vital no lugar de Gabriel.

Mano fechou com Lucas Silva no lugar de Thiago Neves.

Percebeu a diferença entre os bancos?

Daí, aos 36′, em contra-ataque, o uruguaio que veio do Japão, recebeu de Raniel, e fez o gol para acabar com qualquer dúvida: 2 a 1.

O Cruzeiro salva sua temporada, com o hexa da Copa do Brasil, maior campeão do torneio, ao deixar o Grêmio para trás.

O Corinthians vai tratar de não cair para a Série B.

Percebe a diferença?