Blog do Juca Kfouri

Por que o fim do canal Esporte Interativo

Juca Kfouri

Que lê este blog sabe que a crise brasileira ameaça seriamente a compra dos direitos de transmissão de jogos de campeonatos estrangeiros que os brasileiros se acostumaram a ver (AQUI).

Até agora ninguém comprou os direitos do campeonatos da França de Neymar, nem da Itália de Cristiano Ronaldo.

Os intermediários fazem de conta que desconhecem como estão as empresas de mídia no país.

A aposta é a de que quando se convencerem, talvez depois do começo dos torneios, diminuam os preços.

Quem lê este blog sabia também que a situação do Esporte Interativo não era tão confortável como se dizia (AQUI).

Os clubes brasileiros que venderam ao EI seus direitos de transmissão estão agora preocupados.

E até ameaçam acionar o canal na Justiça porque descobriram que o dinheiro pago ao Palmeiras foi bem maior que o recebido por eles.

A promessa de que todos receberiam o mesmo valor não foi cumprida.

Pagou-se a mesma luva para todos e, para o Palmeiras, quarta maior torcida do país, pagou-se mais disfarçado em direitos de transmissão de amistosos, excursões, treinos etc.

Claro, o Palmeiras tem mesmo de ser tratado de modo diferente, mas os rivais não concordam.

A preocupação vai além, porque os clubes temem ter menos exposição do que teriam quando os contratos foram feitos, embora o novo esquema de transmissão, nos canais TNT e Space, prometa o contrário.

A verdade é que tudo foi arquitetado com a ideia de um Brasil bombando quando a economia nacional já indicava o inverso.

E os acionistas da Turner, dona da EI, e agora da AT&T, que comprou a Turner, olharam para o Brasil e decretaram: Game Over!

Uma pena, mas a triste realidade.

Entre a propaganda e a vida há a mesma distância que entre o desejo e o fato.

De tudo o único consolo está em que os mais de 100 demitidos estão recebendo um pacote de saída digno, acima do que seria obrigatório.