Blog do Juca Kfouri

Botafogo 0, Santos 0. Que tristeza!

Juca Kfouri

Não vou encher a paciência do jovem leitor que me honra com a leitura deste blog com saudosismos.

Nem comparar um Botafogo e Santos de hoje com os de outros tempos.

Limito-me a dizer que dos melhores jogos que vi na vida foram entre os dois, entre meados dos anos 1950 e 1960, algo assim como ver Real Madrid e Barcelona hoje em dia, e até com vantagem.

Porque os espanhóis não têm Pelé nem Mané.

Dê só uma olhadinha na lista dos placares abaixo.

São 16 jogos, com 75 gols se não errei na soma, 4,6 gols por jogo, se não errei na divisão.

Oito vitórias santistas, seis botafoguenses, apenas dois empates, nenhum sem gols.

11/05/1957 – Santos 5 x 1 Botafogo – Torneio RioxSP – Vila Belmiro

02/03/1958 – Santos 2 x 2 Botafogo – Torneio RioxSP – Pacaembu

09/04/1959 – Santos 4 x 2 Botafogo – Torneio RioxSP – Maracanã

21/06/1959 – Santos 4 x 1 Botafogo – Tereza Herrera – Riazor

16/04/1960 – Santos 0 x 3 Botafogo – Torneio RioxSP – General Severiano

01/04/1961 – Santos 4 x 2 Botafogo – Torneio RioxSP – Pacaembu

23/04/1961 – Santos 1 x 2 Botafogo – Torneio RioxSP – Pacaembu

03/01/1962 – Santos 0 x 3 Botafogo – Amistoso – Maracanã

19/03/1963 – Santos 4 x 3 Botafogo – Taça Brasil-62/ RioxSP – Pacaembu

31/03/1963 – Santos 1 x 3 Botafogo – Taça Brasil-62/ RioxSP – Maracanã

02/04/1963 – Santos 5 x 0 Botafogo – Taça Brasil-62 – Maracanã

22/08/1963 – Santos 1 x 1 Botafogo – Taça Libertadores – Pacaembu

28/08/1963 – Santos 4 x 0 Botafogo – Taça Libertadores – Maracanã

25/04/1964 – Santos 3 x 1 Botafogo – Torneio RioxSP – Maracanã

10/01/1965 – Santos 2 x 3 Botafogo – Torneio RioxSP – Maracanã

11/04/1965 – Santos 2 x 3 Botafogo – Torneio RioxSP – Maracanã

Tudo isso para dizer que o 0 a 0 do primeiro tempo de hoje no estádio Nilton Santos, com um monte interminável de faltas, de erros de passes e de chutes, não honrou a tradição do que foi o melhor jogo do mundo.

Seria covardia qualquer comparação.

Mas não era preciso exagerar, a começar pelo Santos de camisa azul, o que, por si só, já diminui o impacto do clássico.

E não que não tenha havido 0 a 0 nos anos 1960, porque houve, mas Garrincha não estava mais.

Verdade que o Botafogo teve até boas chances para abrir o marcador, mas deixou de fazê-lo mais por seus erros na hora agá do que por méritos da defesa rival.

Impossível não sentir pena.

O segundo tempo seguiu igual, embora o Santos tenha mandado uma bola no travessão e visto, no rebote, o terceiro goleiro Saulo fazer milagre na cabeçada à queima-roupa de Yuri Alberto, primeiro com o pé, depois com a mão, aos 14 minutos.

Não seria justo.

Cuca tivera a boa ideia de sacar Gabriel ex-gol, para entrada de Yuri Alberto, dois minutos antes.

Mas terá muito trabalho para tirar o Santos do buraco.

Assim como Zé Ricardo, anunciado como novo técnico do Botafogo.

Houve um gol, é fato, bem anulado, porque o botafoguense Luís Fernando estava impedido e fez menção de ir na bola, quando Renatinho chegava para mandar na rede.

Disse que não faria comparação e acho que fiz, subliminarmente.

Os mais velhos me entenderão.

Ou não?

A pelada, não por acaso, foi vista por apenas 6.261 pagantes.