PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

São Paulo muito melhor que o Palmeiras; Flu idem em relação ao Botafogo e Vitória e Galo empatam em jogo maluco

Conteúdo exclusivo para assinantes

Juca Kfouri

29/05/2016 18h00

São Victor fez um milagre e uma defesaça, uma em cada tempo na Fonte Nova, com 4.949 pagantes e espantosos 12.867 presentes(!).

E o Vitória ainda atingiu a trave do Galo, no primeiro.

Mas se o Atlético Mineiro saísse de Salvador enfiando 5 a 2 no rubro-negro baiano não seria exagero.


Fez apenas um gol, com Patric, aos 38 minutos de jogo, em falha do goleiro Fernando Miguel, mas perdeu uma enormidade de oportunidades, algumas delas graças ao goleiro do Vitória.

Como quem não faz, toma, Kieza empatou, com muita classe, ao faltarem 12 minutos para o jogo acabar.

E o Vitória só não virou porque Rafael Carioca de cabeça evitou com o gol aberto o tento de Alípio.

O Galo, com Patric, nos acréscimos, perdeu a chance da vitória.

Enquanto isso, em Volta Redonda (apenas 2.860 pagantes e 4.550 presentes), o Fluminense fez gato e sapato do Botafogo, mas também aproveitou apenas uma das inúmeras chances que criou, com Fred, numa saída errada da defesa botafoguense, aos 5 minutos do segundo tempo.


Fosse 4 a 0 para o Flu e também não haveria estranheza.

Mas, e o Choque Rei, no Morumbi (21.016 pagantes)?


Foi um jogaço, principalmente no segundo tempo.

No primeiro,  nos 10 minutos iniciais, a torcida única tricolor viu um único time jogar, o Palmeiras.

Só que, aos 11, um contra-ataque perfeito do São Paulo, bola trocada de pé em pé, acabou na cabeça de Ganso que abriu o marcador.

Então, o equilíbrio se estabeleceu e assim foi até o fim, em clássico bem disputado, mas sem maiores emoções.

No segundo tempo, ao contrário, não faltaram emoções.

Quase todas proporcionadas pelos donos da casa.

Esperava-se um Palmeiras em busca do empate e foi o que se viu logo de cara, com Rafael Marques exigindo boa defesa de Denis que, depois, falhou ao defender um chute de Moisés e, no rebote, com coragem, evitou que Alecsandro empatasse.

Entre esses dois lances, porém, o São Paulo fez Fernando Prass operar pelo menos quatro senhoras defesas, além de ter sofrido, com Rogério, um pênalti não marcado pelo assoprador de apito e um gol desperdiçado pelo estreante Ytalo de maneira incrível.

Placar moral?

São Paulo 3 a 1! Ou mais…

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri