Topo

Histórico

Categorias

Bimbalham os sinos do autoritarismo e da arbitrariedade

Juca Kfouri

22/07/2014 12h19

20140722-161008-58208175.jpg

Não conheço a militante Sininho.

E sei que alguém dirá que quem vê cara não vê coração.

Já ouvi o diabo em relação a ela.

Até que destruiu o casamento de Marcelo Freixo, uma calúnia como outra qualquer, como ouvi numa discussão entre colegas na Granja Comary, vinda de um jornalista da rádio Globo carioca, não no ar, fique claro.

O que sei é que num Estado democrático as denúncias contra ela soam exageradas, de uma polícia que não é confiável e de uma Justiça, infelizmente, com mais pecados que virtudes.

Cuidado, pois.

Transformar a Sininho em nosso Bin Laden ofende a cidadania, a liberdade, os direitos civis e nos remete a um passado relativamente recente que lutamos para sepultar.

Muita calma nesta hora.

E a necessária indignação contra o que pode ser uma injustiça irreparável em nossa incipiente democracia.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri