Topo
Blog do Juca Kfouri

Blog do Juca Kfouri

Categorias

Histórico

Pró-memória

Juca Kfouri

15/03/2011 00h25

Publicado neste blog, no dia 30 de novembro de 2009:

Uma vergonha!

Depois do que fez o Corinthians ontem, no Brinco de Ouro, contra o Flamengo, que deixou para trás o Palmeiras e o São Paulo, além do Inter, que o alvinegro também tem atravessado na garganta desde que perdeu para o Goiás e acabou ajudando a queda dos paulistas em 2007.

Depois do que o Grêmio ameaça fazer no domingo que vem, no Maracanã, contra o Flamengo, para não ajudar o Inter, como candidamente confessou o Souza.

Depois que Vanderlei Luxemburgo defendeu antecipação de férias no Santos, que pega o Cruzeiro, que disputa com o Palmeiras uma vaga na Libertadores, parece só haver uma solução: que nos próximos campeonatos brasileiros a tabela preveja clássicos estaduais nas últimas rodadas, talvez o único meio para não haver corpo mole.

Mas que é uma vergonha, lá isso é.

Tipinhos, hein?

Por Juca Kfouri às 14h03


Na "Folha de S.Paulo", 15 meses atrás:

São Paulo, quinta-feira, 03 de dezembro de 2009

JUCA KFOURI

Pela honra do futebol

Não existe rivalidade que justifique um time fazer corpo mole para não favorecer o rival. Em nome do jogo

A POIADA PELA maioria dos torcedores, segundo apontam as pesquisas científicas e as sondagens não científicas, além da presença do torcedor nos estádios como não acontecia desde 1987, eis que a fórmula dos pontos corridos está na berlinda por supostamente favorecer a malandragem nas derradeiras rodadas, quando rivais tradicionais não se interessam pelas vitórias para não ajudar o outro.

O comportamento, de fato, é lamentável sob todos os aspectos.

E difícil de ser evitado num país de pouca cultura futebolística, de nenhum respeito pela liturgia do jogo e no qual a única regra que parece existir é a de levar vantagem em tudo, haja vista que temos mensalões democraticamente distribuídos por todos, repita-se, todos, os maiores partidos políticos do país.

Dá-se o nome de pragmatismo à recepção de fanático que nega o Holocausto -e gente de respeito se perde ao botar lenha na fogueira da violência ou ao denunciar brincadeira de péssimo gosto de candidato que virou presidente como se fosse coisa séria.

Para não falar de candidatos potenciais que agridem mulheres e fica tudo por isso mesmo.

Isto é o Brasil.

E por que seria diferente no futebol? Claro que o argumento dos que imaginam que só os pontos corridos favorecem malas brancas e corpos moles não se sustenta.

Porque a mala branca aparece também quando um clube precisa do resultado de um terceiro para ficar entre os classificados para os mata-matas.

E, do mesmo modo, nada impede que um Grêmio, se não tiver mais chance de ficar entre os finalistas, faça corpo mole diante de um Vasco, caso uma vitória sobre o adversário classifique o Inter.

O Grêmio entra aqui só como exemplo, mas não exatamente como Pilatos no Credo, porque o Grêmio é o objeto de desconfiança na próxima rodada, como foi o Corinthians na anterior, embora o Santos também seja.

(O professor de ética do complicado IWL deitou falação de vendedor de carro usado ao dizer que "cada clube tem de se preocupar com o que é melhor para o próprio clube e não para os outros clubes").

Mas Mano Menezes não parece ser muito diferente, ao fazer o teatro e o discurso que fez na derrota contra o Flamengo, em Campinas.

Revelou-se, aliás, mau ator, canastrão mesmo, como este presidente do Sport que promete processar quem chamar o Flamengo de hexacampeão, coisa que esta Folha não considera, o colunista considera e assim fará, como já o chama de pentacampeão desde 1992, legítimo dono da desmoralizada, pela CBF e pelo então parceiro São Paulo FC, taça das bolinhas.

Porque é isso: falta respeito ao jogo de futebol no Brasil, algo que sobra no país de seus inventores, a Inglaterra, mas não só lá.

Inimaginável também na Espanha que um Barcelona amoleça para o Sevilla com a intenção de prejudicar o Real Madrid, coisa que faria a orgulhosa Catalunha corar.

Por aqui, enquanto não nos educamos, enquanto não possuirmos instrumentos realmente eficazes para combater a corrupção e a falta de compostura, quem sabe a marcação dos clássicos estaduais para as últimas rodadas do Brasileirão atenue a malandragem.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Mais Blog do Juca Kfouri