PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Juca Kfouri

Os Impérios empataram. Simon ganhou

Conteúdo exclusivo para assinantes

juca kfouri

12/06/2010 17h23

Reuters

Depois que os Estados Unidos ganharam da Inglaterra, por 1 a 0,  na Copa do Mundo de 1950, no estádio Independência, em Belo Horizonte, na primeira participação dos então arrogantes inventores do futebol moderno numa Copa, foram necessários 43 anos para acontecer nova vitória, em Boston, por 2 a 0.

Neste período, as seleções dos dois países se enfrentaram quatro vezes, com quatro goleadas inglesas, duas em Nova Iorque, duas em Los Angeles: 6 a 3, 8 a 1, 10 a 0 e 5 a 0.

Depois da segunda vitória estado-unidense, mais três jogos, todos com vitórias inglesas, duas em Londres, uma em Chicago, dois 2 a 0 e um 2 a 1.

Hoje jogaram pela segunda vez valendo Copa.

E logo de cara Gerrard abriu o placar para os súditos da Rainha, 39o. gol inglês nos americanos em 11 jogos.

Nem por isso o jogo deixou de ser intenso ou os norte-americanos se intimidaram diante dos europeus.

E duas vezes, em bolas alçadas na área ao velho estilo inglês, os sobrinhos de Tio Sam ameaçaram o Império Britânico.

De maneira voluntarista ou não, fato é que os americanos tinham mais a bola e os ingleses, mais agudos, buscavam matar o jogo em contra-ataques.

O jogo era bem interessante, corrido, viril,  mas sem violência e, surprise!. Carlos Simon não cometia nenhuma lambança durante o primeiro tempo inteiro.

Até que, aos 39, Dempsey arriscou um chute de longe, à meia bomba, e o goleiro Green (é feia mesmo a crise no Verdão…) aceitou miseravelmente, um frango para a história das Copas, a big, enormous chicken!

E o intervalo chegou com um justo 1 a 1.

A Inglaterra parece ter voltado para o segundo tempo com dupla intenção: salvar a cara de seu goleiro e logo liquidar a fatura.

Mas Heskey perdeu chance de ouro ao, livre, leve e solto, chutar em cima do goleiro Howard, logo aos 8 minutos.

E Simon continuava incrivelmente bem.

O que nos aguardava?

A armada inglesa adiantou suas linhas e passou a pressionar, feito um torniquete, mas de má, péssima pontaria.

Os americanos se defendiam como podiam e para mostrar que viviam, aos 19, exigiram que Green se redimisse, mais por sorte do que por competência, ao evitar o gol da virada, nos pés de Altidore, em bola que ainda foi à trave.

O jogo estava bom, muito bom, indefinido, aberto.

O velho império e o atual buscavam a vitória ferrenhamente.

O tanque Rooney tinha de fazer as vezes, também, de garção, mas seu companheiro,  Wright-Phillips, chutou na mão do goleiro.

E Simon, firme e forte, mostrava o sexto cartão amarelo do jogo, democraticamente dividos entre os dois times.

Quando faltavam 10 minutos para o jogo acabar, a Inglaterra parecia mais perto de fazer seu gol e Peter Crouch entrou em campo, como se fosse, assim, digamos, o Obina.

Na primeira bola cruzada para ele, por Rooney, o grandalhão, 2,01m, cabeceou sem direção.

Se alguém merecia fazer um gol, este alguém era exatamente Rooney.

Quando começou o período de acréscimo, 4 minutos, acredite, os Estados Unidos tinham o domínio do jogo.

E os estado-unidenses seguem invictos diante dos ingleses em Copas do Mundo: 1 a 1.

E o trio brasileiro (Simon, Braatz e Housmann– brasileiro!!!???) de arbitragem pôde ir dormir feliz, pela atuação perfeita, muito, incomparavelmente melhor que o nível de arbitragem no Brasil e pelo mundo afora.

Já o Green, pobre dele, dormirá vermelho. De vergonha. Mas de barriga cheia.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri