Topo

Histórico

Categorias

O papel da Copa-2014

Juca Kfouri

20/11/2008 12h08


Na onda do Mundial no Brasil, aparecem diversas revistas sobre futebol, o estrangeiro, de preferência*


De repente, não mais, como diria o poeta, o país que tinha apenas uma revista de futebol, tem, se a conta não estiver errada e a memória em dia, nada menos do que meia dúzia.


Todas mensais, é verdade, nenhuma semanal, mas seis.


Mais que em países com hábitos de leitura incomparavelmente maiores que os nossos, proporcionais, por sinal, à paixão, também maior, que dedicam ao esporte.


No começo, estamos falando de 1970 para cá, era só a "Placar", embora títulos como a "Gazeta Esportiva Ilustrada", "Revista do Esporte", "Manchete Esportiva" e outras menos votadas tenham precedido a semanal, no lançamento e até 1990, da editora Abril.


A ''Manchete Esportiva'', aliás, voltou para tentar concorrer com "Placar", mas durou pouco.


Eis que, no entanto, a Copa do Mundo no país parece ter encorajado diversas iniciativas.


Exceção feita à revista "Trivela", projeto de um grupo de bravos jornalistas que já está em seu terceiro ano e que de tão corajosa é contra a Copa no Brasil por ser comandada por quem a comanda, eis que agora temos as revistas "Invicto" (cujo logotipo, por sinal, é quase ilegível); a Four-Four-Two (yes, you are in Brazil!), que se orgulha de não querer mudar o futebol; a Gol F.C., e a Fut Lance!, esta com o respeitável respaldo daquela que já é a maior editora esportiva da América Latina.


Se a sobrevivência é complicada em tempos de paz, como as idas e vindas da "Placar" comprovam em quase 40 anos de turbulência, que dirá nesta guerra da crise mundial, com o dólar indo às alturas e com ele o preço do papel.


Cada um dos investidores deve saber o que está fazendo, mas o curioso é observar os paradoxos da globalização e seus efeitos em nosso futebol e nestas revistas.


Se a Copa do Mundo potencializa tais efeitos a níveis estratosféricos, a aposta da maioria desses novos editores está concentrada no futebol que se pratica fora de nossas fronteiras, a ponto de uma dessas publicações ter seu título em inglês, em vez de usar o familiar Quatro-Quatro-Dois como se faria poucos anos atrás.


E com conformismo explícito, tipo se o estupro é inevitável, relaxe e goze, (sem nenhuma alusão nem ao desastrado ex-prefeito do "estupra mas não mate" nem à espevitada ex-prefeita que é casada e tem três filhos homens).


Porque não se cogita discutir o modelo de gestão do futebol brasileiro, exportador de pé-de-obra, dado como uma realidade que está aí e veio para ficar.


A aposta é de que o Barcelona em breve será tão popular como o Flamengo é por aqui e que as capas podem ser feitas não só com os brasileiros que jogam lá fora como, também, com os estrangeiros, cada vez mais familiares principalmente para quem tem o privilégio da TV por assinatura, afinal, a elite que lê.


Ora, é óbvio que a Copa do Mundo pode até ser uma oportunidade para que se dê uma surfada em sua onda, mas surfistas, no caso, podem virar sinônimo de oportunistas, razão pela qual o afogamento da maioria é inevitável mesmo antes da festa (da farra?) de abertura do Mundial, seja onde for.


Enfim, é revista demais para futebol de menos. Não vai dar certo. 


Coluna escrita para a edição nacional da "Folha de S.Paulo" desta quinta-feira, 20 de novembro.

Sobre o Autor

Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Diretor das revistas Placar (de 1979 a 1995) e da Playboy (1991 a 1994). Comentarista esportivo do SBT (de 1984 a 1987) e da Rede Globo (de 1988 a 1994). Participou do programa Cartão Verde, da Rede Cultura, entre 1995 e 2000 e apresentou o Bola na Rede, na RedeTV, entre 2000 e 2002. Voltou ao Cartão Verde em 2003, onde ficou até 2005. Apresentou o programa de entrevistas na rede CNT, Juca Kfouri ao vivo, entre 1996 e 1999 e foi colaborador da ESPN-Brasil entre 2005 e 2019. Colunista de futebol de “O Globo” entre 1989 e 1991 e apresentador, de 2000 até 2010, do programa CBN EC, na rede CBN de rádio. Foi colunista da Folha de S.Paulo entre 1995 e 1999, quando foi para o diário Lance!, onde ficou até voltar, em 2005, para a Folha, onde permanece com sua coluna três vezes por semana. Apresenta, também, o programa Entre Vistas, na TVT, desde janeiro de 2018.

Colunas na Folha: https://blogdojuca.uol.com.br/lista-colunas-na-folha/

Blog do Juca Kfouri