Blog do Juca Kfouri

Uma entrevista com Di Stefano

Juca Kfouri


Por GUSTAVO VILLANI, de Madrid


Só o fato de Alfredo Di Stefano ser presidente de honra do Real Madrid já valeria a pauta.


Mas ele é muito mais do que isso.


Ao chegar à Sala de los Veteranos do estádio Santiago Bernabeu e ser literalmente entrevistado por ele, em constrangedora inversão de papéis, percebi que é uma pessoa rara.


Quis saber quem eu era, o que fazia na Espanha, onde está minha namorada e, para encerrar, me deu conselhos para não sofrer com as diferenças culturais na Europa.


Talvez porque conheceu a vida cigana de jogador de futebol há quase 60 anos, antes de qualquer conceito sobre bloco econômico e contra todos os preconceitos sobre dupla nacionalidade.


Jogou, em ordem cronológica, no River Plate, Huracán (volta para o River), Millionarios, Real Madrid e Espanyol.


Disse ter sido amigo do escorraçado goleiro Barbosa, a quem conheceu numa série de amistosos no Brasil, no final da década de 40.


Fã de Zizinho, elogiou a escola brasileira.


Não se recusou a falar de nada, mas me interrompeu e se mostrou indisposto ao falar de Didi e Pelé.


Em uma dessas ironias da vida, que tiraram de Zico uma conquista de Copa do Mundo, Di Stefano não pôde jogar um Mundial.


Sofreu com o boicote da Argentina em 1950.


Em 54 e 58, já pela seleção espanhola, nem embarcou para Suíça e Suécia.


Em 62, já trintão, estava no Chile, mas machucado.


Aos 40 anos se aposentou, em 1966.



 


O que falta ao Robinho para jogar o que se espera dele?


Não sei o que faz fora de campo, se treina bem, não gosto de individualizar meus comentários porque sou da mesma profissão. Garoto jovem para se firmar na Europa tem que se adaptar às circunstâncias da vida, dos estádios, dos companheiros, depende de como ele leva tudo isso. Qualidade ele tem. A adaptação não depende do treinador, se o treinador monta um time pra ele ou não. Tem uma frase que diz: “cada maestro tem seu livro”, e deve ser respeitada.


Às vésperas da Eurocopa, qual a seleção que mais lhe encanta?


Não há como dizer. Cada seleção tem seu ciclo, sua característica, seja Brasil, Argentina, Itália, Alemanha. Não sei se a Bélgica está um fenômeno ou se a Dinamarca vai voltar à tona. Não dá para prever. Tem jogador que vai a Igreja pedir ajuda divina para ganhar campeonato. Por favor! Outras seleções também pedem ajuda de Deus. Então, lá de cima, ele diz: “vai empatar, com certeza”.


Sua biografia se chama “Gracias, Vieja”. Qual o porquê do nome?


A mãe para alguns é a número um do mundo, essa que dá a luz, dá carinho, te cria, que faz tudo. Eu valorizo muito a figura feminina. Então estava num café em Barcelona, com os jogadores do Real Madrid, vendo um monumento. Um deles, que estava com sono, brincou: “vou fazer um monumento a uma cama”. E o outro disse que faria um monumento à esposa. Eu disse que faria um monumento à bola, porque se não fosse por ela não estaríamos ali, sentados. A história se propagou até chegar a um escultor, que se ofereceu para um trabalho. Comprei. Ele esculpiu o símbolo do River e a menção “gracias, vieja”, homenagem que pedi a minha mãe e à bola. (a escultura enfeita o jardim da casa de Di Stefano)


Você saiu de casa, na Argentina, aos 23 anos, quando a palavra globalização nem existia. Como foi?


Houve uma revolução bombástica na América, a Colômbia até separou-se da FIFA. A maioria dos jogadores das equipes pequenas não recebia, ou recebia picado. Nós, os grandes jogadores da época, fizemos uma organização secreta na Argentina, Perón não podia saber. Íamos de clube em clube semeando a idéia da greve. Genial. Depois de alguns anos, em um momento precioso, explodiu a greve que durou seis, oito meses, com argentinos, uruguaios e outros mais. Queríamos defender os jogadores dos times pequenos, ou da segunda divisão. Tinha jogador que recebia um salário a cada quatro meses trabalhados. Saí do River para o Millionarios da Colômbia, assim como muitos outros.


Você acha o jogador brasileiro tão politizado como os argentinos e uruguaios?


Vocês são descendentes de portugueses, certo? É diferente, apesar de sermos todos latinos. Outra: o Brasil é muito grande, em São Paulo tem muitos times, no Rio de Janeiro também, em Belo Horizonte tem dois, Porto Alegre… O importante é que falo de organização, não estou aqui fomentando a rebeldia. Brigávamos pelos direitos, não contra o clube. Se existe um contrato, tem que cumpri-lo.


Alfredo, fale da experiência de jogar por diferentes seleções.


Eu joguei pela Argentina e pela Espanha. Falam da Colômbia, mas eu não joguei pela seleção colombiana. Sou argentino e espanhol, tenho duas nacionalidades. Há um ditado que diz: “uno es de dónde pase, no de donde nace”. Você tem que ser torcedor de onde você come. Que te recebam em outro país, tem que estar agradecido. Faz sete anos que já não volto para Argentina, mas quando podia estava lá todas as férias, entre amigos e familiares.


O que espanta é que hoje as pessoas se locomovem com facilidade, mas antes…


Colombo foi a América, e Vespucio também. Um tem que começar, dar início à vida. Eles descobriram a América, e nós descobrimos a Europa, entende? Saí da Argentina e depois da Colômbia por necessidade, foi difícil. Uma ligação telefônica de Bogotá a Buenos Aires demorava 48 horas, às vezes quatro dias. Agora, em 48 segundos se fala com Buenos Aires aqui de Madri. Tudo melhorou.


Notícias da namorada só por carta?


Isso, sim, piorou. As pessoas eram mais letradas, e hoje são mais mecânicas, estão acostumadas com teclado, Internet, essas coisas. Eu tinha que inventar frases para impressionar minha namorada, nada era pronto. Tinha que postar a carta e começar a escrever outra, porque demorava demais para chegar. Tudo pela Rutina. (risos)


Tenho aqui algumas frases de Bobby Charlton e Eusébio. Disseram que Stefano foi o melhor. Just Fontaine acredita que Alfredo e Pelé foram iguais…


Só tem craque aí, hein. Gosto de me sentir parte de um todo, sou um colaborador. Nunca gostei do “eu”, de ser capitão, a estrela, ou coisa do tipo. Eu era da equipe, do conjunto. Quem quiser presumir, que presuma, mas eu não gosto da presunção. Cada um fala o que quiser.


Didi dizia que o dono do time, você, o boicotava no Real Madrid.


Eu falo, conto uma história, e ele conta outra história. Para falar de uma pessoa têm que estar os dois presentes. Eu digo uma coisa, você outra e, aí, as coisas se aclaram. Você me pergunta de Didi. Pois digo que aqui Didi foi tratado muito bem. (Pausa) Vou te contar uma coisa: Didi veio a Madrid num inverno do c… e não comprou um casaco. Ponto. Não me pergunte mais.


Falamos, então, de um compatriota que gosta muito de você. Maradona.


Minha relação com Maradona é antiga, o conheço desde que tinha 17, 18 anos e ainda jogava no Argentinos Juniors. Tenho uma história para ilustrá-lo. No Mundial da Argentina fui trabalhar para uma televisão venezuelana. Cheguei a Buenos Aires e logo minha mãe me disse: “Alfredo, esse Menotti não convocou o Maradona. O que você acha? Tem que matar esse homem!” Menotti é meu amigo e me dizia que Diego era muito jovem para jogar um Mundial, apesar do talento que já demonstrava. Tentei acalmar minha mãe, que tinha uns 60 anos e estava uma fera, contando que só conhecia Diego de ouvir falar e que ele nem deveria ser tudo isso. Ela me mediu com os olhos e disparou: “Pois eu vivo aqui, saiba que Diego é o melhor jogador argentino”. Por onde Diego passou foi uma figura extraordinária. Agora, digo sempre que as más companhias tiraram dele a possibilidade de ser mais do que é. Eu o quero muito bem, é um grande amigo.


Por falar em Copa do Mundo, dói não ter jogado um Mundial?


Como me vai doer se eu estive no Chile! Fiz gols na classificação da Espanha para jogar o Mundial. Mas tive a lesão nas costas, apesar dos médicos insistirem que era na perna, e perdi tempo na recuperação. Queriam que emagrecesse cinco quilos a todo custo, exageraram na minha preparação e me machuquei. Pelé também se machucou. Ou seja, ao Mundial eu fui, mas não pude jogar por lesão. (Pausa) É a defesa que eu tenho. E outra: não me importa!


Tampouco foi sua culpa a ausência da Argentina na Copa de 50.


Argentina sempre briga com alguém. Por uma coisa ou por outra não foi ao Mundial do Brasil, dirigentes não se organizaram entre eles e faltavam os grandes jogadores que deixaram o país depois daquela greve. Sempre tem um problema “x” na Argentina. Desde que Grondona assumiu, a coisa melhorou um pouco, apesar do êxodo dos jogadores. Vão a França, Itália, Inglaterra, México, aos países escandinavos… É uma sangria. Os públicos argentino e brasileiro estão deslocados. Quem eles podem ver jogar? Os estádios se esvaziam. Têm que pagar a televisão para ver os times europeus. Em vez de torcer para o River, Boca ou Chacarita, torcem para o Milan, Real Madrid e Benfica.


É possível mudar a situação?


Se um jogador na América ganha 100 e aqui ganha 100.000, você mesmo responde. O que faz o jogador? Antes era uma prisão aos clubes, podiam te reter para a vida toda, éramos como escravos. Hoje você só pode estar na Antártida ou no Equador porque as pessoas lutaram pelo direito mundial, que é a liberdade.


Você gosta de políticos, dos dirigentes do futebol?


Os políticos gostam de futebol assim como simpatizamos por alguns deles. Você não pode impedir a um político de ter preferências, isso vem de 10, 11 anos de idade, seja com o Real Madrid, Santos, São Paulo. Portanto, não podemos fazer um torcedor deixar uma equipe porque ele tem um cargo político. O que isso tem a ver? Eu posso ser torcedor de um político e não ser do mesmo partido dele, por exemplo. As pessoas levam a questão sempre para o mau.


Franco não usava o Real Madrid como bandeira?


Não, nem sabia que jogávamos. Sabia, mas pouco. O Real Madrid teve a grande vantagem de ganhar muitas Copas da Europa, e cresceu em prestígio. Nunca presentearam nada ao clube, tudo isso(estádio) foi construído. Pagamos cimento, tijolo, andaime, tudo. O presidente Santiago Bernabeu não era tonto. Contratou Didi do Brasil, Santamaría do Uruguai, eu vim da Colômbia, apesar de ser argentino, enfim, boa parte do mundo sempre torceu pelo Real Madrid. O clube ganhou muito dinheiro em amistosos.


Já agradeceu alguma vez pelo Barça ter desistido de lhe contratar?


O Barça não desistiu, o Barça perdeu a briga com o Real Madrid. Os catalães negociaram com o River, que embolsou o dinheiro, sendo que meu passe já era do Millionarios. O Real Madrid negociou diretamente com o Millionarios e aqui estou. A FIFA tentou aquela medida para apaziguar, mas não deu certo porque, aí, sim, o Barcelona desistiu de me ter. (Di Stefano teria que jogar quatro temporadas na Espanha, duas pelo Real Madrid e outras duas pelo Barcelona)


Cinco Copas da Europa, uma Copa Intercontinental, dois prêmios Bola de Ouro, uma Copa América, artilheiro desde sempre… Faltou algo na carreira?


Não, tenho muita coisa. Reconheço o carinho de todos, sempre foram bons comigo e tentei ser igual. Esse é o resultado, não tenho mais nada a dizer, sou feliz. Sou agradecido a todos os prêmios e, digo sempre, a todos meus companheiros.


Com permissão para imitá-lo, Gracias, Viejo.


Nada, obrigado a todos vocês. Um abraço à torcida brasileira.



O repórter e o gênio

  1. eder.borges

    31/05/2008 10:30:43

    sensacional!parabéns gustavo!

  2. edisonmoraes

    31/05/2008 09:43:39

    Como o ótimo pode ser simples, né? Trabalho de craques, um deles já consagrado!

  3. rafaelscontabil

    30/05/2008 21:18:47

    As vezes fico com uma ponta de inveja das pessoas com mais de 50 anos. Putz eles viram cada craque jogar. Di Stefano, Garrincha, Pelé, Didi, Zizinho, Puskas, Rivelino... Pena que só inventaram máquina do tempo daqui a centenas de anos, se existisse uma hoje, daria tudo para ver esses craques jogando. Infelizmente não só no Brasil, as pessoas não tem acervos com filmes para mostrar esses ídolos do passado. Imaginava Di Stéfano um velhinho, quase gagá... E o cara conhece tudo e mais um pouco do futebol da américa do sul. Valeu Gustavo pela entrevista. Valeu mesmo.

  4. Roger Navarro

    30/05/2008 16:18:35

    Parabéns! Excelente entrevista.Dessas que entram para a história. Mais uma vez, "el viejo Alfredo" esbanja lucidez, sabedoria e elegância.

  5. paulo.treviso

    30/05/2008 13:46:19

    Ótima entevista, ainda que algumas respostas não sejam aquelas que gostaríamos de ler. Di Stefano é reverendado no Real Madri, que o tem como uma "lenda". Tanto que no Santiago Bernabeu ocorre uma exposição a seu respeito, que recentemente tive o prazer de admirar. Parabéns ao repórter.

  6. lc.sanches

    30/05/2008 11:51:17

    Parabéns Gustavo, apreciei muito essa entrevista. Muito bom conhecer um pouco mais quem, até o momento, só conhecia por nome. Que humildade esse gênio!!!

  7. netocurvina

    30/05/2008 11:49:00

    Sempre haverá a polêmica do melhor do mundo. Sempre alguém será comparado com o rei do futebol. Deeveríamos agir um pouco como os americanos e olhar para números. Frios, exatos, inquestionáveis. Depois assistir a "Pelé, eterno".Tão de brincadeira. nunca houve, e até a presente hora não há nenhum jogador de futebol que possa sequer ser comparado com Pelé. E depois, olhemos para a Argentina. Ganho a Copa de 78 roubando (Peru). E foi à final da Copa de 86 com um gol de mão. Depois que Maradona parou o que ela ganhou a nível mundial? Nada. Esse torneiozinho de meninos que chamam olimpíadas? Tá brincando. E o que Maradona ganhou? Jogando, um mundial. O que mais? Um ou outro título pelo Boca ou Nápoli.Vivem de 'promessas'. Uma dia era Batistuta e Ortega. O que ganharam? Nada. Agora é Messi. Onde ele estava no jogo contra o Manchester em Barcelona? Quem viu o jogo sabe a falta que o gaúcho (esse sim, craque) fez.E ainda tem brasileiro frustrado que adora vestir a camisa da argentina.

  8. rubens.clips

    30/05/2008 09:41:15

    Melhor do mundo, de todos os tempos? Considero impossível escolher. Di Stefano, Pelé, Garrincha, Friedenreich, Maradona, Mayer, Puskas, Cruiff (ih... esqueci como se escreve o nome do holandês... desculpem-me), jogadores excepcionais, diferenciados. Ronaldo, Ronaldinho? Idem. Cada um a seu tempo, cada um com seu estilo, cada um com sua função. Se estatística vale... Pelé é o melhor. Se clubismo vale, então acho o Biro Biro o melhor. Mas, se só valesse o amor pelo esporte, então eu gostaria de todos eles no meu time (tem jeito?). Ah, e com Di Stefano na presidência.

  9. Van

    30/05/2008 07:53:26

    não posso acreditar que alguém diz que maradona é o melhor da história pq pelé e di stefano jogaram em uma época em que jogar futebol era fácil... que blasfêmia... a época de zico e maradona sim era fácil... maradona não fez 1000 gols, não foi tri campeao, e para ser campeao precisou de gol com a mão... pelé é o rei e ponto final...eis alguns melhores que maradona: zito, rivelino, mengalvio, zagalo... e por aí vai....

  10. Lucas Camargo

    29/05/2008 23:11:14

    Quer dizer que o Didi não jogou bem pq não se adaptou...É...tá bom...Outro piadista argentino.

  11. andreangelico

    29/05/2008 22:23:10

    alexcereda, quem aqui citou o palmeiras?

  12. alexcereda

    29/05/2008 21:50:00

    Roberto Azevedo, o Palmeiras não corria do Santos não. Ao contrário, encarava de frente e muitas vezes saía vencedor.

  13. Lider do Brasil

    29/05/2008 21:43:43

    Recalcado,passando por invejoso e por aí vai.....

  14. danielchoma

    29/05/2008 20:20:24

    JUCA! Acabei de ver uma notícia de que o Edmundo resolveu se aposentar, por causa do jogo de ontem. O animal tá cansado de tantas emoções. Certo ele não é?abraço!

  15. fabianorocco2

    29/05/2008 19:31:10

    Pena que Di Stefano minta quando diz que o canalha do General Franco nunca tenha ajudado o Real Madrid, time nojento que foi beneficiadoanos e anos por aquele déspota.

  16. ronaldo_sp

    29/05/2008 19:22:52

    Juca, pq a entrevista com o Leão feita por vc na ESPN não está disponível? Houve algum problema? Como posso revê-la?

  17. rogeriobb

    29/05/2008 18:28:38

    Caro Juca,Como leitor diario do seu blog e amante do futebol, ñ posso deixar de comentar a entrevista do " Don Alfredo", vivo em Madrid a dois anos e trabalho nas escolas de futebol do Real Madrid, por isso vejo a cada dia tudo o que representa Alfredo di Stefano para a cidade e em especial aos torcedores do Real e do bom futebol. Aqui também podemos comprovar e ver tudo o que foi relatado no seu blog referente ao jornal Marca e o Real Madrid... De qualquer maneira aproveito essa ocasião para parabeniza-lo pelo blog e apesar de ter apenas 29 anos colocar a sua disposição a pouca experiencia que tenho aqui em Madrid.Um AbraçoRogério Bragança Baptista

  18. maxrobert.melo

    29/05/2008 18:24:07

    Juca, mudando um pouco de assunto ou melhor totalmente, você viu a foto que está bem na frente do estádio onde o Brasil jogará neste final de semana? Na foto está a figura de RONALDINHO GAÚCHO E DE KAKA bem em destaque, convocando os torcedores à assistirem tais jogadores, o problema é que o DUNGA esqueceu de leva-los infelizmente hehehe

  19. carolmoreno

    29/05/2008 17:51:07

    Muito boa a entrevista, parabéns ao Gustavo. Que mesa bagunçada tem o Di Stéfano hein?

  20. marcusgps

    29/05/2008 17:51:00

    Sensacional!!! Valeu por postá-la Juca e parabéns ao Gustavo!!! Abçs!!!

  21. edufez

    29/05/2008 17:09:04

    O maior genio do futebol em todos os tempos foi ARTHUR ANTUNES COIMBRA... Ninguém na face da terra se comparou ao fantástico ZICO!!! "ei, ei, ei... Zico é nosso Rei". Maradona não lava as cuecas do galinho!

  22. cesar.ares.ares

    29/05/2008 15:28:22

    Tullo Andrade,Vc precisa relativizar seu raciocínio....não há como eleger o maior de todos os tempos porque o futebol mudou muito em tecnologia e preparo físico....se Pelé e Mané Garrincha tivessem jogado na época de Maradona eles teria destruído do mesmo modo...imagine Pelé e Mané com o mesmo preparo físico e a tecnologia da atualidade....eles iriam acabar com os jogos e seu "valor federativo" seri no mínimo de 500milhões de dólares. Alfredo Di Stéfano também....cada um foi melhor em sua época...e pare de endeusar este argentino Maradona....todas as vezes que se encontrou com Zico...perdeu a partida. Fora isso, Maradona não era tão completo como Pelé: não sabia chutar de direita, não sabia cabeçear e não tinha a mesma velocidade...e isto que jogou vinte anos depois de Pelé. O gol que Maradona fez contra a Inglaterra em 1986, Pelé fez igual contra o Fluminense jogando pelo Santos no Maracanã.

  23. kenedyhs

    29/05/2008 15:26:16

    Fico com a opinião do Romário:"Depois do Pelé não vejo ninguém melhor que eu"

  24. tmzcampos

    29/05/2008 15:08:40

    Bellissimo jogador, uma lenda!e que teve um prazer distinto de vestir o sagrado manto verde palestrino! a unica camisa de time brasileiro que ja vestiu.se nao me falha a memoria o jogo era combinado river e boca x corinthians e palmeiras. Houve confusao com uniformes ( cor igual se nao me engano) e o combinado argentino vestiu a camisa verde palestrina!que honra para Di estefano!

  25. phqpalcantara

    29/05/2008 14:52:57

    "Vocês são descendentes de portugueses, certo?". Essa cotnra-pergunta já responde tudo. Muito sábio el viejo. Muito boa a entrevista. Ah, e Zico foi o maior de todos os tempos. Tenho dito.

  26. edufez

    29/05/2008 14:48:34

    Somente duas questões :1) Seria "Di Estefano" como no texto ou "Di Stefano"?2) Quais seriam os dois times de Belo Horizonte que ele se referiu - Cruzeiro e América?? hahaha... Atlético não vai ser considerado por ele um time, ou vai?!

  27. castro.jaime

    29/05/2008 14:40:00

    Juca, impressionante, o Di Stefano é igual ao Severino Cavalcanti!!!

  28. Roberto Azevedo

    29/05/2008 14:19:48

    O Real Madri, na decada de 60, corria do Santos, assim como o diabo fóge da cruz. Qualquer torneio para o qual fosse convidado, se o Santos também fosse, eles davam um jeitinho de não ir. Tinha medo que o Santos lhe fizesse o mesmo,que fez com o Benfica de Eusébio, Coluna, Torres e Simões. O Santos, enfiou 5, em pleno estadio da Luz, num jogo que até hoje detem o recorde de publico em Portugal. O Santos, alcançou o máximo, que uma equipe pode produzir. Todos corriam. Todos.

  29. tullioandradde

    29/05/2008 14:15:05

    Maradona sem dúvida foi o maior jogador da história. Todos sabem disso, mas não querem admitir por ele ser argentino, aí ficam com essa coisa de q Pelé foi melhor. Pelé e Di Estéfano jogaram numa época em q jogar futebol era muito fácil. Ninguém marcava ninguém, não existia preparo físico e as defesas eram bem fraquinhas. Querer comparar Pelé, Di Estéfano, Zico à Maradona é uma ofensa. Nenhum deles jogou a metade do q jogou Maradona.

  30. awolmer

    29/05/2008 14:05:52

    Entrevista sensacional. Que cabeça boa tem o velho! Parabéns ao Villani. PS: Robinho é meia-boca - é esta a opinião dele, pode ter certeza Villani. E é a minha opinião também.

  31. kaelbrandao

    29/05/2008 13:48:37

    muito boa

  32. Ney Queiroz

    29/05/2008 13:34:32

    Di Stefano, Pelé, Zico, Cruyff sempre jogaram em grandes times, com grandes jogadores. Por isto acho Maradona o maior deles (e olha q sou flamengo) maradona jogou e ganhou copa em times mediocres que havia soh ele como grande jogador. Imagine a argentina sem ele na copa de 86. Imagine se ele nao se drogasse..

  33. m-menezes

    29/05/2008 13:19:37

    Esse aí foi gênio mesmo, que entrevista ótima com um dos grandes do futebol mundial.Parabéns!!!OBS:VEJA OS TIMES QUE ELE CITA ... SÓ MESMO OS TIMES GRANDES DO FUTEBOL MUNDIAL (REAL MADRID, SANTOS E são paulo; CADÊ O SEU corinthians, Juca???? Provavelmente ele nunca ouviu falar).Abraços e Saudações SANTISTAS!!!!

  34. Gilliatt

    29/05/2008 13:16:16

    Que beleza de entrevista! Legal saber que o repórter Gustavo Villani, quando não faz birra e cara de corintiano bobo pra falar mal injustamente do Robinho, é ótimo jornalista.

  35. Van

    29/05/2008 13:05:51

    este é o melhor jogador argentino que já existiu... sendo ele o melhor argentino que já existiu, como maradona acha que é o melhor do mundo, sendo que na argentina ele é o numero 2? rsrs

  36. blogdopaulinho

    29/05/2008 12:38:23

    Parabéns Gustavo !

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Leia os termos de uso