Blog do Juca Kfouri http://blogdojuca.uol.com.br Juca Kfouri é formado em Ciências Sociais pela USP. Desde 2005, é colunista da Folha de S.Paulo e do UOL. Fri, 01 Aug 2014 21:59:41 +0000 pt-BR hourly 1 http://wordpress.org/?v=3.9 Quem mente: Dilma ou os generais? http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/quem-mente-dilma-ou-os-generais/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/quem-mente-dilma-ou-os-generais/#comments Fri, 01 Aug 2014 21:51:36 +0000 http://blogdojuca.uol.com.br/?p=61696 20140801-185906-68346678.jpg

Leia AQUI a competente, estarrecedora, esclarecedora, reportagem de Luiz Cláudio Cunha sobre a patranha que as Forças Armadas brasileiras quiseram fazer o país engolir.

]]>
8
O pito do Juiz em Marin http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/o-pito-do-juiz-em-marin/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/o-pito-do-juiz-em-marin/#comments Fri, 01 Aug 2014 15:17:05 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61687 20140801-151327-54807934.jpg

José Maria Marin, abaixo J.M.M., tomou, como Ricardo Teixeira, gosto em me processar (J.C.A.K. abaixo), pelas verdades que escrevo sobre ele e que ele preferia não ver publicadas.

Além disso, julga-se mais importante do que é, imaginando que o Judiciário esteja à sua disposição.

Daí a humilhante, e exemplar, reprimenda abaixo:

Processo 0023065-20.2013.8.26.0050 –

Representação Criminal/Notícia de Crime – Injúria – J.M.M. – J.C.A.K. –

Vistos. Fls. 367/370.

Pleiteia o querelante novamente o adiamento da audiência de instrução.

O pedido fica indeferido e a audiência de instrução mantida, alias como já determinado (fls. 360).

O querelante durante todo o feito vem pedindo a redesignação de audiências, seja preliminar ou mesmo de instrução.

Este juízo todas as vezes atendeu ao pedido.

Todavia, tal já fugiu do razoável.

Se o querelante pretende ver o querelado processado deve adequar e organizar-se para comparecer em juízo.

O Poder de Judiciário não está aqui para atender a caprichos.

Não é o Poder Judiciário quem deve adequar-se às partes, mas sim esta ao Poder Judiciário já que, saliente-se, fora invocada a tutela jurisdicional via queixa-crime.

E mais, não cabe a este juízo observar a tabela de jogos da seleção brasileira para designar o dia que melhor aprouver a seu presidente afim de que este compareça.

Por derradeiro, o processo já fora cumprido para a data designada.

Nova redesignação implica em novo dispêndio de recurso humano e financeiro do Poder Público.

Por tudo, indefiro o pedido e mantenho a audiência de instrução designada. Intime-se.

(O itálico e os negritos são do blog)…

]]>
26
Por que Pelé apareceu tão pouco na Copa do Mundo http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/por-que-pele-apareceu-taopouco-na-copa-do-mundo/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/por-que-pele-apareceu-taopouco-na-copa-do-mundo/#comments Fri, 01 Aug 2014 13:20:38 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61677 20140731-230525-83125220.jpg

Ninguém entendeu a discreta presença do Rei do futebol na Copa do Mundo em seu país.

Especulou-se que teria sido por causa da operação que fez no quadril e dá qual não estava ainda plenamente recuperado.

Mas o real motivo foi bem mais simples.

Nomeado pelo governo brasileiro como embaixador na Copa, Pelé tinha vários compromissos ao lado da presidenta da República.

Como ela, no entanto, resolveu reduzir ao máximo suas aparições para evitar protestos, ele acabou por cumprir apenas os compromissos que tinha com seus patrocinadores.

E viu a Copa mais pela TV que nos estádios.

]]>
112
O melhor jogo da 13a. rodada do Brasileirão http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/o-melhor-jogo-da-13a-rodada-do-brasileirao/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/08/o-melhor-jogo-da-13a-rodada-do-brasileirao/#comments Fri, 01 Aug 2014 09:55:48 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61662 20140731-193005-70205632.jpg

Neste sábado, no Maracanã, às 18h30, vamos ter o jogo mais interessante da 13a. rodada do Brasileirão.

E, por quê?

Primeiramente porque tem o Cruzeiro, líder absoluto e melhor time do campeonato, o único time que, sistematicamente, tem dado gosto ver.

Verdade que o adversário é exatamente o oposto, dá pena ver, o Botafogo, em 13o. lugar, a dois pontos da zona do rebaixamento, com apenas 12 pontos em 12 jogos, 16 a menos que o Cruzeiro, que tem 28.

A diferença é tão grande que o Cruzeiro marcou o dobro de gols do Botafogo, 28 a 14, e enquanto o Glorioso tem saldo zero, a Raposa tem 16 gols de saldo.

O Cruzeiro voa em céu de brigadeiro e o Botafogo se afunda numa gestão cujo presidente, Maurício Assumpção, deu participação à empresa de sua família, segundo denunciou o globo.com, nos contratos de patrocínio do clube.

Mas o Brasil inteiro torcerá por um milagre botafoguense, para impedir que o Cruzeiro livre vantagem ainda maior do que já tem, de cinco pontos sobre o segundo colocado.

Haverá alguma razão para acreditar em tal milagre?

Tecnicamente nenhum.

Só no campo da superstição, e não há vocação maior para a superstição do que a botafoguense, que haverá de se agarrar no fato de o jogo ser pela 13a. rodada e o time estar em 13o. lugar.

Não contente com um 13, temos dois.

Provavelmente não bastará, seria preciso, no mínimo, ter 13 trezes…

Mas entramos em agosto, mês do cachorro louco.

Comentário para o Jornal da CBN desta sexta-feira, 1o. de agosto de 2014, que você ouve aqui.

]]>
26
Tubarão engole o Peixe http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/tubarao-engole-o-peixe/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/tubarao-engole-o-peixe/#comments Fri, 01 Aug 2014 01:52:04 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61674 O Santos cometeu um erro ao ir jogar com os reservas contra o Londrina no Estádio do Café, diante de mais de 15 mil torcedores no norte do Paraná, jogo de ida da Copa do Brasil.

O campeão paranaense deste ano, embora na quarta divisão nacional, manteve a base do seu time e passou pelos vice-campeões paulistas com autoridade.

Treinado há três anos pelo mesmo técnico Cláudio Tencati, que chegou hoje a seu centésimo jogo à frente do LEC, o Tubarão engoliu o Peixe.

Ainda em começo de temporada e vindo da parada pela Copa do Mundo, não se justifica que o Santos poupe o time titular.

Sim, o Santos terá jogo duro no domingo, contra o Inter, no Beira-Rio, mas às 18h30.

Melhor teria sido ficar por lá com os titulares, descansar nesta sexta-feira, viajar no fim da tarde (tem voo às 16h45, com duração de menos de duas horas) e treinar no sábado na capital gaúcha, mais perto de Londrina que de Santos.

O camaronês Joel abriu o placar aos 22 do primeiro tempo e o Londrina sempre esteve mais perto do segundo gol que o Santos do empate.

Mas como futebol é futebol, o empate saiu primeiro, com Geovânio, em grande lançamento de Renato.

A sorte dos visitantes foi a acomodação dos anfitriões com a pequena vantagem, o que tornava a virada praiana, na Vila Belmiro, no próximo dia 14, mais que uma possibilidade, uma forte probabilidade.

Como segue sendo, apesar de ter levado o 2 a 1, outra vez na cabeça de Joel, prova de que se o LEC tivesse forçado mais poderia ter alcançado uma vitória bem mais confortável.

O Santos jogará por uma vitória simples, por 1 a 0.

Registre-se, com pesar, o péssimo estado do gramado do Estádio do Café, algo que não se justifica em lugar algum, ainda mais numa região como o rico norte paranaense.

20140731-231434-83674683.jpg

]]>
23
O que quer o Bom Senso FC da nova lei http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/o-que-quer-o-bom-senso-fc-da-nova-lei/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/o-que-quer-o-bom-senso-fc-da-nova-lei/#comments Thu, 31 Jul 2014 23:10:26 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61669 POR BOM SENSO FC

O Governo está prestes a conceder um parcelamento de 25 anos para que os clubes tentem mais uma vez pagar as suas dívidas fiscais, estimadas em R$ 3 bilhões.

Sabemos que muitos clubes estão com a corda no pescoço—por assim dizer—e que sem este parcelamento não conseguirão sequer virar o ano.

Mas diante de tamanho desespero pela sua aprovação, o que será que os dirigentes dos clubes—principais beneficiários da lei—têm defendido como contrapartida?

E o que será que pensam a respeito da nossa proposta?

Vilson Ribeiro (presidente do Coritiba, chefe de delegação da Seleção durante a Copa e líder da comissão dos clubes junto à CBF), por exemplo, em um rompante de moralismo logo após a reunião, chegou a anunciar que:
“Eles (Bom Senso F.C.) têm uma ideia que nós entendemos tem de ser mais radical.”

Ora, estamos defendendo a criação de um órgão fiscalizador independente responsável exclusivamente por acompanhar as atividades financeiras dos clubes.

Exigimos prestação de contas trimestrais, em que o não cumprimento de critérios básicos de gestão impusesse sanções desportivas aos clubes com responsabilização pessoal dos dirigentes.

E Vilson nos diz que eles [presidentes de clube] têm uma proposta mais radical? Ora, qual seria esta proposta, Vilson?

“90% das propostas do Bom Senso está (sic) incluída nas propostas dos clubes”

Que ótima estatística!

Mas quais são estes 90%?

E, mais importante: quais são os outros 10%?

Até onde sabemos, os presidentes de clube têm defendido a aprovação imediata da lei como ela está. (Nos corrijam se estivermos enganados.)

No gráfico anexo, vocês poderão ver a diferença significativa.

O projeto pode ir à votação na próxima terça-feira (05/08), e esta será a nossa oportunidade de mudá-lo.

O Governo, os parlamentares e os clubes têm a faca e o queijo na mão para estabelecer transparência e boa gestão no nosso futebol.

Não podemos desperdiçar esta oportunidade.

20140731-200859-72539573.jpg

*Entendendo a tabela:
Contrato de Trabalho – Comprovação do pagamento dos contratos de trabalho com todos seus funcionários, incluindo CLT, direito de imagem e premiações.

Padronização dos demonstrativos financeiros – Divulgação das demonstrações financeiras padronizadas segundo um critério estabelecido nesta lei, aumentando a transparência de gestão.

Reavaliação endividamento – Contratação de auditoria independente para aferição do verdadeiro endividamento do clube.

Controle do déficit – Permissão, nos 2 primeiros meses, de 10% de déficit em relação a sua receita bruta. Nos 2 anos seguintes, 5%. A partir do quinto ano, não é permitido déficit no período.

Custo do futebol – Relação entre custos do departamento de futebol profissional e receita bruta nunca superior a 66% no período.

Apresentação da CND – Apresentação das certidões negativas de débito que comprovam estar em dia com suas obrigações.

ATUALIZAÇÃO ÀS 17h20 do dia 1o. de agosto: o quadro em branco deve ser preenchido com o que segue, segundo outras fontes:

1.Contrato de trabalho: obrigatoriedade de manter em dia carteira de
trabalho, direitos de imagens e salários dos funcionários (artigo2 do
projeto e regulamento da CBF, como a Federação Paulista faz).

Punição: rebaixamento, responsabilidade do dirigente e sai do
refinanciamento;

2. Padronização de demonstração (artigo 2): auditoria
independente, critérios e procedimentos contábeis padronizados de
acordo com normas do conselho federal de contabildade; frequência anual;

Punições: as mesmas acima;

3. reavaliação anual de endividamento (artigo 2) e fiscalização anual;

Punições: as mesmas;

4. Controle de déficit (artigo 2 do projeto): progressivo, sem especificação e sem punição;

4. custo futebol: não está no projeto;

5. apresentação do CND: frequência: um mês antes de cada competição.

Punição; rebaixamento.

A validade do CND é semestral e os dirigentes terão responsabilidade pessoal por suas gestões.

]]>
13
O “Três tempos” http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/o-tres-tempos/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/o-tres-tempos/#comments Thu, 31 Jul 2014 21:49:57 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61660 POR ANDREA M.P. SEABRA*

3 Tempos

Não foi sem orgulho que ouvi, vi e li, inclusive neste blog, declarações de apoio dos jogadores de futebol da seleção brasileira e, depois, de outros jogadores, às manifestações que tomaram as ruas de muitas cidades brasileiras em junho do ano passado.

Algumas palavras repetidas chamam a atenção, referências à infância humilde e às dificuldades de acesso a educação e saúde de qualidade. E daí, para lembrar que o futebol ainda é no Brasil uma espécie de alavanca social e econômica para muitos jovens, foi só um pequeno passo. E perceber o que se exige deles, outro passo mais.

A adolescência é um fenômeno psicológico e social. O adolescente tem a necessidade de ter destaque, agradar ao olhar do outro é importante, dá a ele a sensação de existir. O final de adolescência e início da fase adulta já é um enorme desafio, que só se agiganta neste ambiente tão competitivo do futebol. Diante do porvir ainda incerto, o menino se depara com sua condição de existência, lançando mão de fantasias e comportamentos impulsivos. As expectativas da família destes jovens podem agravar ainda mais a pressão sobre eles. Quem deve cuidar desse futuro atleta?

Como lidar com uma súbita posição de reconhecimento nacional, aparecendo na mídia de modo intenso, recebendo convites de toda ordem? Como administrar um ganho monetário nunca antes possível, sem se perder? Como entender a fugacidade desta aparição e prestígio? Lidar com fama e glória é muito difícil. A imprensa veicula, com certa frequência, notícias de jogadores promissores que, por desequilíbrios emocionais, diminuíram seu desempenho diante da pressão. Uma pesquisa recente realizada pelo UOL Esporte revela que uma elevada porcentagem dos jogadores admite ter problemas decorrentes de ilusão de sucesso, arrogância, vida em baladas, violência, drogas, bebidas alcoólicas, etc.

Em um artigo, Tostão faz um comentário bastante consistente: “A sociedade do espetáculo idolatra, consome e descarta rapidamente seus ídolos. A impaciência com Neymar já começou. Querem que ele dê show em todas as partidas.” Essa é uma tarefa cruel muito difícil de elaborar emocionalmente. Orientar jovens se faz fundamental nessa nova condição, para que tenham melhor critério na seleção do que vem ao seu encontro: drogas, relacionamentos sociais e amorosos perigosos, consumo desmedido de artigos de luxo − e assim sair das situações de deslumbramento e risco.

Jogadores numa fase descendente de seu percurso profissional, assim como jogadores repatriados, também necessitam de orientação.A readaptação a novos desafios pode ser um momento bastante custoso e atribulado. Por meio do apoio especializado os atletas terão mais capacidade de administrar corretamente sua vida privada e profissional. Desta forma, protege-se também os próprios clubes, que terão uma maior garantia e segurança de retorno do investimento que fizeram. Se seus jogadores estiverem psicologicamente bem, emocionalmente estabilizados, a probabilidade de uma boa atuação aumenta significativamente.

Os patrocinadores, por seu lado, poderão usufruir de maiores chances de associação de suas marcas a bons atletas em todos os sentidos. De quebra, todos ainda farão bonito, pois para clubes e patrocinadores é uma oportunidade de se apresentarem como corporações que têm responsabilidade social e se preocupam com esses aspectos humanitários ajudando seus atletas, mesmo depois de deixaram de ser estrelas do time.

Iniciativas de olhar individualmente para esses atletas começam a surgir. Algum clube se habilita?


*Andrea M. P. Seabra, idealizadora do “Projeto 3 Tempos” que oferece apoio individual para jovens atletas é psicóloga, formada pela PUC-SP, com mais de 25 anos de experiência clínica realizada em hospitais, clínicas psiquiátricas, projetos corporativos e clínica particular. email: se.abra@uol.com.br

]]>
7
Mais Botafogo, menos Maurício Assumpção http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/mais-botafogo-menos-mauricio-assumpcao/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/mais-botafogo-menos-mauricio-assumpcao/#comments Thu, 31 Jul 2014 17:46:14 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61656 20140731-144728-53248290.jpg

Leia abaixo a carta do grupo “Mais Botafogo” e conclua você mesmo quem é o atual presidente do Botafogo que chora pitangas no Palácio do Planalto enquanto recheia o cofre de sua família.

Prezado Sócio do Botafogo de Futebol e Regatas,

Ao longo dos últimos anos o grupo Mais Botafogo tem, com imensa apreensão, revelado-lhe os graves erros, equívocos, decisões temerárias e outros atos lesivos aos interesses do Botafogo, que vem sendo cometidos pelo Sr Maurício Assumpção.

Em abril, percebendo a enormidade e a gravidade da crise em que tínhamos sido colocados pelo presidente do Clube ao, deliberadamente, sonegar ao Tribunal Regional do Trabalho informações referentes ao valor das receitas auferidas pelo Botafogo, provocou nossa exclusão do Ato Trabalhista, solicitamos que o Sr Maurício renunciasse ao cargo ou que, caso não o fizesse, que o presidente do Conselho Deliberativo, usando as prerrogativas do artigo 54 do Estatuto, propusesse a cassação do seu mandato.

Infelizmente nada disto aconteceu e, em nome de uma pretensa preservação do nome do Botafogo, nada foi feito, preferindo-se empurrar a crise com a barriga ou esconder-se dela, como se isso tivesse o poder de resolvê-la.

A consequência está aí, à vista de todos: o problema se agravou, os atrasos salariais foram aumentando. Como um pré aviso o time negou-se a viajar para disputar amistoso em João Pessoa, o ambiente deteriorou-se. O Vice de Futebol deu declarações à imprensa onde ficou patente que não tinha nenhum controle sobre o elenco. Já o presidente, demonstrando desamor pelo Botafogo, ganhou as manchetes de toda a imprensa e a notoriedade que sempre desejou ao declarar, em encontro com a Presidente da República, que estava considerando retirar o time do Campeonato Brasileiro.

Mas, em uma demonstração de que o fundo do poço a que estamos sendo levados por esta administração ainda não foi atingido e que nada está tão ruim que não possa piorar, matéria publicada ontem nos informa que “Empresa de familiares de Assumpção recebe 5% de patrocínio do Botafogo”, o que foi confirmado pelo próprio sr Maurício, o qual, além de tudo, não vê nenhum problema nisto, achando normal remunerar a referida empresa, desde 2010, com mais de um milhão de reais por ano.

Prezados sócios: BASTA!!!!!

É a existência do Botafogo que está ameaçada!!!

É chegada a hora dos verdadeiros BOTAFOGUENSES se manifestarem e exigirem o afastamento deste nefasto senhor do nosso Clube.

Ele não é digno de usar o título que foi usado por Flávio Ramos, Paulo Antonio Azeredo, Benjamin Sodré, Carlito Rocha, Althemar Dutra de Castilho, Ney Cidade Palmeiro, dentre tantos grandes Presidentes, estes com P maiúsculo, que engrandeceram o nosso Clube.

Senhor José Luiz Rolim, Presidente do Conselho Deliberativo: assuma seu papel neste momento histórico e convoque, imediatamente, o Conselho para demitir este senhor, responsável por tantos e talvez irreparáveis prejuízos ao Botafogo e que nem mesmo deveria ter o direito de declarar-se botafoguense, do cargo que hora ocupa. Faça isto antes que seja demasiadamente tarde.

Saudações Alvinegras,
Grupo Mais Botafogo.

O blog pergunta: o que os Landau têm a dizer a respeito?

E informa: Bebeto de Freitas não faz parte do “Mais Botafogo”.

]]>
31
Aéreo Neves, o distraído http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/aereo-neves-o-distraido/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/aereo-neves-o-distraido/#comments Thu, 31 Jul 2014 14:51:03 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61650 20140731-115923-43163179.jpg

O tucano Aéreo Neves gosta de voar.

E saiu construindo aeroportos por aí, na verdade dois, um, por acaso, em fazenda da família.

Asas cortadas em reportagem da “Folha” levou dez dias para admitir que pousou “algumas vezes” no aeroporto do tio-avô com a avião da família, mas, ressaltou, “depois que saiu do (ninho) do governo mineiro”.

Quem acreditar nisso acredita em qualquer coisa.

Inacreditável será imaginá-lo pousando no ninho do Planalto.

E fica a pergunta: terá o helicóptero dos Perrelas também pousado, por uma vez que seja, no aeroporto dos Neves?

]]>
119
Os mitos da intervenção estatal no futebol http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/os-mitos-da-intervencao-estatal-no-futebol/ http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/os-mitos-da-intervencao-estatal-no-futebol/#comments Thu, 31 Jul 2014 12:00:38 +0000 https://blogdojuca.uol.com.br/?p=61622 No diário “Lance!” de hoje.

POR ROGER STIEFELMANN LEAL*

20140730-183207-66727012.jpg

No debate sobre a reestruturação do futebol brasileiro, novamente vem à tona a questão da intervenção nas entidades desportivas.

Muitos acabam por confundir essa questão com uma eventual – e indesejada – estatização de federações e confederações.

Fala-se, ainda, de nomeação de dirigentes pelo governo.

Nesse debate, também não é incomum o argumento da impossibilidade de qualquer intervenção em face do princípio constitucional da autonomia desportiva.

Há quem sustente – de maneira a dificultar qualquer medida legislativa moralizadora – que se deve modificar primeiramente a Constituição nesse ponto.

É necessário perceber que as autonomias asseguradas pela Constituição não impedem o legislador de impor regras que visem inibir abusos e punir violações.

Assim, ao garantir autonomia aos partidos políticos, o texto constitucional não impede que legislação determine o cancelamento do registro aos partidos que recebam recursos do exterior ou que não tenham prestado contas à Justiça Eleitoral.

A autonomia constitucional assegurada às universidades não obsta que a legislação imponha a cassação da autorização de seu funcionamento em caso de avaliação governamental insatisfatória sobre sua atuação.

Nessa linha, a autonomia das entidades desportivas não afasta imposições legislativas que promovam a destituição dos dirigentes das entidades que violarem, por exemplo, as garantias do torcedor quanto à emissão e venda de ingressos.

Tal conclusão, nesse ponto, foi definida pelo STF ao julgar a constitucionalidade do Estatuto do Torcedor.

Desse modo, nova legislação que venha a impor padrões de gestão mais rígidos e consequências mais severas às entidades desportivas que não honram suas obrigações fiscais e trabalhistas não encontrará óbice na cláusula da autonomia desportiva. Trata-se de restrições lícitas, voltadas à proteção de outras garantias constitucionais.

Sob certo aspecto, o Estado já é, nos dias atuais, sócio de várias dessas entidades, que deixam de saldar seus débitos com o erário para contratar técnicos e jogadores por valores exorbitantes.

Retiram recursos da saúde e da previdência para custear o futebol profissional.

Ao proceder assim, clubes e dirigentes já trataram – eles mesmos – de avançar na estatização do futebol, financiando-o com dinheiro público.

*Roger Stiefelmann Leal é professor de Direito Constitucional da USP. Foi Secretário-Executivo da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, entre 2011 e 2013.

]]>
22