Blog do Juca Kfouri

A Croácia surpreende o mundo

Juca Kfouri

A Inglaterra saiu na frente logo aos 4 minutos com um gol de falta cobrada com perfeição por Trippier, herói improvável da semifinal.

A Croácia sentiu e a Inglaterra tomou conta do jogo.

Assim foi durante todo o primeiro tempo.

Quando o segundo começou ficou claro que a Croácia queria jogar e a Inglaterra não queria que a Croácia jogasse.

E os britânicos faziam prevalecer sua vontade até que, aos 22′, Walker leu mal um cruzamento pela direita e esperou a bola para cabecear, quando Perisic se antecipou e empatou.

Soou como uma verdadeira surpresa para os ingleses e como uma injeção de ânimo para os croatas que, em seguida, atingiram a trave dos súditos da Rainha.

O que estava cômodo, virou um inferno.

E o English Team, que pagava pela arrogância de supor o jogo definido, demorou para se reequilibrar.

Não a ponto de evitar a prorrogação.

A segunda dos ingleses, a terceira dos croatas.

Haja pulmão!

Vrsaljko salvou na linha fatal o segundo gol inglês logo no começo da prorrogação que tinha os de branco mais inteiros — e você repita o nome do zagueiro salvador se for capaz.

Mas, já nos acréscimos do primeiro tempo, o goleiro Pickford salvou o gol da virada nos pés de Mandzukic.

Tinha drama para mais de metro.

Que Mandzukic coroou ao virar o placar, numa sobra de bola imprevisível.

Agora procure um analista sequer que antes da Copa começar tenha indicado a Croácia como finalista.

Se você achar, o blog manda você para Zagreb ver a final.

Agora, a França, que jogou seis vezes e ontem.

A Croácia jogou sete, se você contar três prorrogações de 30 minutos, e terá um dia a menos para se recuperar até domingo.

Mas duvidar dela quem há de?

ATUALIZAÇÃO ÀS 13h15 da quinta-feira, 12/7:

MARCOS CHERULLI ganhou a passagem de ida para Zagreb para ver de lá a final, pois apontou um especialista da ESPN americana que cravou a Croácia na final.

Veja AQUI.