Blog do Juca Kfouri

Grêmio tranquilo, Corinthians não

Juca Kfouri

Se você pegar os primeiros tempos em Salvador e em Goiânia e misturar bem, espremer bem e coar bem, chegará à conclusão de que faltou futebol.

O Corinthians queria envolver o Vitória em câmara lenta e o Vitória queria surpreender o Corinthians em contra-ataques.

Os paulistas tiveram duas chances de gols com Romero e Rodriguinho e os baianos outras duas.

E foi tudo.

Já o Grêmio dominou o Goiás, criou muitas chances, mas, como tem sido habitual, desperdiçou chances em cima de chances.

Jael parecia numa noite nada cruel, apenas pouco fiel ao gol.

Os empates estavam de bom tamanho para os visitantes, mas de mal com o futebol.

Esperava-se que a bola fosse mais respeitada nos segundos tempos.

E foi.

Tanto no Barradão quanto no Serra Dourada.

Fagner quase fez 1 a 0 e o rubro-negro respondeu imediatamente.

Marcelo Grohe fez uma defesaça e Everton fez um golaço, livrando-se de dois defensores goianos, o primeiro de calcanhar.

O 0 a 0 na Bahia era justo e o 1 a 0 em Goiás também.

Era improvável que o Goiás incomodasse o Grêmio, mas tanto o Vitória incomodava o Corinthians quanto o Corinthians incomodava o Vitória, num jogo, enfim, lá e cá.

Aos 22′, Luan foi derrubado na área e bateu o pênalti para ampliar: 2 a 0.

O Grêmio confirmava seu favoritismo com o pé nas costas.

Aos 30′, o Goiás ficou com dez jogadores.

Já o Corinthians parecia surpreso ao encontrar mais dificuldade do que esperava.

Fábio Carille pôs o jovem Matheus Vital e o veterano Emerson Sheik em busca daquele gol que o time se acostumou a fazer.

Mas nada indicava que conseguiria e não seria surpresa se tomasse, diante de menos de 12 mil torcedores, num ótimo gramado.

O Grêmio está nas quartas de final da Copa do Brasil, diante de 15 mil torcedores.

O Corinthians ainda não e é bom lembrar que foi o Vitória quem, em Itaquera, quebrou a invencibilidade alvinegra no Brasileirão passado.