Blog do Juca Kfouri

Nos pênaltis, deu Santos!

Juca Kfouri

O primeiro tempo de Santos x Botinha, na Vila Belmiro, teve mais emoção e bons lances que todo o jogo disputado em Ribeirão Preto.

O Santos deixou de dar chutões, fazer ligações diretas como no domingo e criou, pelos lados do campo, duas boas chances de gol, além de o Gabigol ter sofrido um pênalti fora do lance de bola que o assoprador não viu.

Já o Botinha foi ainda mais perigoso, com três chances de gol, uma delas, para variar, evitada pelo goleiro Vanderlei, nos pés do atacante tricolor.

O 0 a 0 dos 45 minutos não fazia jus ao jogo.

Chovia na Vila vazia, com 6 mil torcedores, e o segundo tempo prometia porque, sem gols, iríamos aos pênaltis.

O Santos se fez mais presente, mas não mais perigoso, embora pressionasse bastante.

Aos 21 minutos, Jair Ventura fez a primeira mexida e tirou Jean Mota para entrada do menino Diogo Vitor, em busca do gol.

Nessas alturas o Botinha parecia feliz com o empate e preferindo especular com a decisão na marca do pênalti.

Aos 26′, quem saiu foi Rodrygo para Arthur Gomes jogar.

O Santos chutava, buscava, mas nada.

Os visitantes enceravam o gramado molhado dos anfitriões.

Aos 38′, Arthur Gomes quase fez o gol, mas o goleiro Tiago Cardoso defendeu.

Os escanteios se sucediam e o gol santista não acontecia.

O Botinha só queria fazer o tempo passar e a chuva apertava, caía forte.

Castigado pela cera, o jogo foi até os 51 minutos.

Mas como é muito difícil fazer gols no medíocre futebol brasileiro da atualidade, vieram os pênaltis.

Vanderlei viu o segundo tempo sem trabalhar.

Agora teria trabalho.

Quem ganhasse poderia enfrentar o Palmeiras nas semifinais.

Que dureza!

Antes, os penais:

Gabigol abriu a série e fez 1 a 0.

O Botinha empatou.

Vítor Bueno bateu e Tiago pegou.

O Botinha bateu para fora.

Diogo Vítor fez 2 a 1.

O Botinha bateu para fora.

Lucas Verissimo bateu por cima.

O Botinha bateu por cima.

Um show de horrores.

Arthur Gomes classificou o Santos.