Blog do Juca Kfouri

São Paulo estaciona na Ferroviária

Juca Kfouri

A Ferroviária chegou ao Morumbi vazio com todos os seus vagões e a máquina dispostos a não sofrer gols.

Tratou de estacioná-las entre a linha de meio de campo e a da grande área.

O São Paulo, com Nenê no banco, e Diego Souza com mais liberdade, além de Valdívia como titular, queria muito fazer gol, mas errava tantos passes que no primeiro tempo não deu.

Insistia em entrar pelo meio e pelo meio o congestionamento impedia com facilidade quaisquer penetrações.

Criou apenas três chances, duas das quais bem neutralizadas pelo goleiro Tadeu de Araraquara.

A ansiedade atrapalha um time que tem jogadores capazes de render muito mais do que os tricolores estão rendendo.

O time saiu vaiado para o intervalo.

Nada indicava mudança na postura do time grená para os 45 minutos finais, mas o Tricolor voltou procurando mais jogar pelos lados, principalmente o esquerdo.

PC Oliveira, técnico campeão mundial de futsal com a seleção brasileira em 2008, trocou um de seus vagões no intervalo, ele que tem também boas ideias sobre futebol de campo.

Logo aos 11 minutos, Dorival Júnior trocou Diego Souza por Tréllez.

O São Paulo chuveirava na área e quando se dava bem com o expediente, Tadeu se dava ainda melhor.

Aos 16′, Nenê entrou no lugar de Valdívia e a pequena torcida chamou Dorival Júnior de burro.

Segundos depois a bola sobrou para Nenê perder gol certo ao errar a cavadinha.

Se ele faz o gol o treinador poderia dizer que burros são quem aqueles que o ofendiam.

Aos 20′, saiu Marcos Guilherme e entrou Paulinho, última troca tricolor.

Se em vez de Sidão houvesse um sinalizador de mudança de trilhos no Morumbi daria no mesmo.

Na Ferroviária saiu Ícaro e entrou Elvis, o filho de Dédalo na mitologia grega pelo rei do rock na música pop.

Cueva não estava numa tarde feliz ao errar passes fáceis.

Tadeu se divertia com defesas acrobáticas.

Mas, aos 31′, fez milagre cara a cara com Cueva.

O gol são-paulino parecia tão maduro que corria o risco de cair de podre.

Sofria-se pra mais de metro no estádio tricolor com apenas 11 mil torcedores.só aos 36′ Sidão apareceu ao defender cobrança de falta.

Não se pode queixar de falta de empenho ou produção do São Paulo, apenas de eficácia na hora de concluir.

Os escanteios se sucediam como trens chegando e saindo da estação da Luz.

Mas gol que é bom, nada!

Aos 45′, Tadeu evitou um de Paulinho, com outra grande defesa.

Impressionante!

E o jogo acabou, no 49º minuto, como começou.

Sob muitas vaias, é claro.

Muita calma nesta hora é o que resta dizer.