Blog do Juca Kfouri

O direito ao exagero

Juca Kfouri

Opinião cada um tem a sua.

Alguns têm espaço para manifestá-la, outros a restringem aos seus, é assim caminha a humanidade.

Há até quem atinja o mundo com uma simples opinião.

Cristiano Ronaldo, por exemplo.

O extraordinário jogador português exagerou e disse ser o melhor de todos os tempos.

Zinedine Zidane, seu treinador, até concordou.

Nem um, nem outro, viram Pelé jogar.

Tivessem visto, provavelmente teriam outra opinião, tamanha a diferença.

Mas é assim mesmo.

Novas gerações vão construindo novas versões para a história, mudam até a qualidade e a quantidade de conquistas e por aí afora.

Então, veio Renato Gaúcho e declarou ter sido melhor que Cristiano Ronaldo.

E Felipão, que viu ambos, até como técnico do lusitano, concordou com o conterrâneo.

Foi a vez dos brasileiros exagerarem.

Pãos ou pães é questão de opiniães, já dizia o imortal Guimarães Rosa.

Cristiano Ronaldo cometeu um exagero e foi vítima de outro.

Tirante qualquer discussão em torno do Rei Pelé, deus até para os ateus, de resto vale tudo.

Não vi, por exemplo, além dele, ninguém melhor que Mané Garrincha.

Por um curto período, é verdade, entre 1957 e 1963, mas nem Cruyff, Beckembauer, Maradona, Romário, Zidane, Ronaldo, Messi, fizeram o que ele fez.

Guardo para mim a opinião, para não parecer nem patrioteiro, nem herege.

Mas melhores que o excepcional Renato Gaúcho, tivemos, por aqui, Falcão, Zico, Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho, para não falar de Didi, Gérson, Rivellino e de Tostão.

Ah, o Tostão.

Se você tivesse visto o Tostão…