Blog do Juca Kfouri

O craque também chora

Juca Kfouri

Por ROBERTO VIEIRA

O pesadelo chega de repente.

A derrota.

O gol perdido debaixo do travessão.

A lágrima presa na garganta de criança explode.

Lembra do pai.

Um homem não pode chorar.

Enxuga o rosto na camisa suada.

O time adversário explode campeão.

O caminho de casa é longo e inesquecível.

Queria estar longe dali, bem longe.

Tão longe quanto o gol perdido debaixo do travessão.

Duque late no portão.

Ele passa por Duque sem carinho e sem afeto.

Deita na cama e pensa.

Um homem não pode chorar.

Pouco depois chega o pai.

Senta ao lado do filho deitado na solidão:

‘E o jogo, filho?’

O menino conta do gol perdido.

A derrota.

O horizonte perdido.

Olhos úmidos que não devem chorar.

O pai vai na gaveta da velha escrivaninha.

Pega uma revista antiga.

Lá está o garoto de dezessete anos chorando nos braços dos
companheiros.

Campeão do mundo.

Lágrimas aos borbotões.

Pensamento no pai nas Minas Gerais.

‘Filho, um craque também chora!’

O filho explode em um oceano de lágrimas e sentimentos.

Imunes aos gols e ao tempo.