Blog do Juca Kfouri

Joguinho em Itaquera, atropelamento no Maracanã

Juca Kfouri

Ninguém pode se queixar de falta de empenho de corintianos e gremistas no primeiro tempo em Itaquera.

Todos podem reclamar de falta de emoções.


A rigor, só uma vez, numa cabeçada de Jô para fora, houve algo que lembrasse a sensação de gol.

Luan sentia a falta de ritmo no lado gaúcho e Jô sentia a falta de bola para ele no lado paulista.

Daí o 0 a 0 ser o placar inevitável do primeiro tempo.

Para o Corinthians não era ruim, para o Grêmio era a chance que se perdia de diminuir a diferença.

No segundo tempo, o Corinthians dominou de maneira estéril os 10 primeiros minutos e depois voltou a deixar a bola com o Grêmio, aparentemente feliz com o empate, em nova noite de doer de Jadson e Rodriguinho.

Clayson entrou no lugar de Jadson, aos 18, porque até Romero estava melhor que ele.

Os dois líderes do Brasileirão faziam um joguinho lastimável, do nível do atual futebol nacional, diante de 40 mil torcedores.

Marquinhos Gabriel entrou no lugar de Romero, aos 25.

O de sempre, também porque o Corinthians não tem nada de diferente para fazer e perdeu Gabriel, trocado por Fellipe Bastos, enquanto o Grêmio trocava Luan por Éverton e Fernandinho por Beto da Silva, aos 30.

Aos 35, Edílson deu a primeira sensação real de gol, ao bater, quase sem ângulo pela esquerda, uma falta no travessão de Cássio.

Jael substituiu Barrios.

O empate abria ao Santos, de novo, a chance de diminuir para sete pontos a diferença, desde que vença o desesperado Sport amanhã, no Recife.

Já no Maracanã, com 22 mil torcedores, muito melhor que o São Paulo, em dois minutos, aos 22 e aos 24, o Fluminense fez 2 a 0.

Junior Tavares fez mais um pênalti burro e Henrique Dourado mais uma vez não perdoou.

Em seguida, Diego Cavalieri pôs a bola em Scarpa que ganhou no corpo de Rodrigo Caio, foi ao fundo e passou para Sornoza fulminar Sidão.

O Flu folgava na tabela e deixava o São Paulo em situação incômoda, obrigado a torcer contra Sport, que recebe o Santos, contra o Vitória, que recepciona o Furacão e contra a Ponte Preta, que visita o Palmeiras, para não voltar à ZR.

São Paulo que, é claro, foi para a pressão em busca de qualquer coisa desde o começo do segundo tempo, sem levar perigo.

E Arboleda fez novo pênalti sem noção para Robinho aumentar  para 3 a 0 a ótima vitória do tricolor carioca, aos 39.

Daí, aos 42, o São Paulo achou um gol com Shaylon.

O Flu atropelou o São Paulo sem piedade.