Blog do Juca Kfouri

Time do peito

Juca Kfouri

*POR LUIZ GUILHERME PIVA

O pessoal queria matar o gandula. O time local, depois de várias derrotas, estava ganhando justamente o jogo que poderia manter sua chance de não ser eliminado.

Pendurados no alambrado, trinta do segundo tempo, um a zero, os torcedores gritavam pra segurar o jogo, pra cair, pra demorar no tiro de meta, pra chutar pra longe. Por duas vezes a bola caiu na torcida e não voltou enquanto dois cabos não foram lá pressionar.

E o gandula faz aquilo? Na primeira vez passou, na segunda o xingaram, mas na terceira queriam pular o alambrado e pegá-lo. Ele era um corisco: mal a bola saía, ele a pegava e entregava ao cobrador, tanto local quanto adversário. Tiveram que segurar um que ameaçou enfiar o pau da bandeira pelo arame para atingi-lo. O gordão que tocava o surdo quis lançar o instrumento lá do alto na cabeça do moleque. Se não fossem os dois cabos, nem sei.

Deu certo. O gandula parou de ir na bola e, de medo, acabou sumindo. A bola saía e os jogadores do outro time é que tinham que buscá-la.

Mas aí foi o médico. Com as quedas sucessivas dos jogadores pra ganhar tempo, ele começou a ser acionado. E não é que ele entrava correndo, jogava a aguinha, o spray, dava um tapinha no jogador e fazia tinindo pro juiz pra recomeçar?

Quase quarenta e o doutor já tinha entrado, nesse ritmo, umas cinco vezes. A fúria da torcida se voltou contra ele. Mas xingá-lo era um problema: cidade pequena, todos o conheciam e respeitavam, atendia nas comunidades carentes, às vezes não cobrava consulta, ajudava o time de graça – enfim, não dava.

O gordão do surdo mordia a baqueta, outros puxavam o cabelo, enroscavam a camisa, afundavam a cabeça nos joelhos e se desesperavam a cada corrida do médico pra dentro de campo.

Quarenta e três. O adversário no ataque. Pressão. Bola na trave, confusão na área, bate-rebate, escanteio. O goleiro finge a contusão e cai. Era hora de segurar de vez. Parar o jogo. Esfriar até acabar.

Mas eis que o doutor se levanta e começa a partir rápido pra atendê-lo.

O do surdo não aguentou. Gritou: “Ai! Tô morrendo!”. Vermelho, a veia do pescoço saltada, os olhos saindo, a língua roxa, as mãos no peito. O surdo caiu-lhe das mãos e rolou os degraus e ele desabou babando.

O impacto do grito e da cena paralisou todo mundo. O silêncio chamou atenção. Abriu-se uma clareira onde o corpo dele jazia arfante.

O médico se virou, viu e ordenou: “Não mexam nele! Abram o portão!”.

Não tinha portão naquele ponto – rasgaram o alambrado e o enrolaram com força. O médico passou com a maleta, subiu os degraus e parou diante do corpo, que respirava com dificuldade, as mãos bambas, o olhar ermo. O médico fez massagem torácica, mediu o pulso fraco, jogou água no rosto, desabotoou a camisa, puxou as pálpebras, pôs o palito na língua – e ficou preocupado. Chamou os dois cabos e a maca, reuniu mais uns oito para aguentar o peso e iniciou, com cuidado, a remoção.

Atravessaram devagar, com muita dificuldade, a distância até o portão, todos abrindo espaço e acompanhando apreensivos.

Perto da saída o corpo sacudiu forte, estrebuchou e caiu da maca. Foi um desespero: sustos, gritos, correria. De novo o doutor o examinou detidamente, verificou se havia fratura e comandou a operação de erguê-lo até a maca e conduzi-o até a ambulância.

De dentro do pequeno estádio ouviram-se a sirene, a aceleração e os pneus arrancando.

Tudo levou meia hora ou mais. O goleiro seguia caído. Já escurecia. A torcida urrava pelo fim do jogo. E o juiz a atendeu, para ira dos adversários. Acabou. Vitória local, euforia na arquibancada, foguetes, invasão de campo, esperança renovada para as próximas partidas.

Na ambulância, médico e paciente na parte de trás, em silêncio. Até que o torcedor se levantou, sentou-se na maca, segurou as mãos do médico e disse: “Obrigado, doutor! Eu estou ótimo. Não tive nada, não. Agora, por favor, me escute: o senhor nunca mais, entendeu?, nunca mais, pelo amor de Deus, tente atrapalhar o nosso time!”.

_________________________________
Luiz Guilherme Piva publicou “Eram todos camisa dez” (Editora Iluminuras)