Blog do Juca Kfouri

Assim ninguém tira o título do Corinthians

Juca Kfouri

Sem torcida dentro de São Januário, mas com barulho dela em torno, o Grêmio, com seus titulares a exceção de Geromel e Luan, preservados para eventualmente enfrentarem o Botafogo pela Libertadores, na quarta-feira, começou o jogo se impondo ao Vasco.

Que só equilibrou no fim, quando surgiram as duas melhores chances de gol do primeiro tempo: Nenê perdeu um gol imperdível e Mateus Vital fez o da vitória  cruzmaltina.


Ou seja, o domínio gaúcho era estéril e o Vasco foi muito mais eficaz, ainda capaz outra chances com Vital, em chute rente à trave de Marcelo Grohe.


Zé Ricardo estreava como queria e Renato Portaluppi dava para o diabo a hora em que não poupou seus titulares, pois perdia com eles e tudo.


O técnico gaucho tirou Léo Moura e pôs Everton, aos 15,  e o carioca, aos 20, trocou Wagner por Paulinho.

Como só o Grêmio jogava, o Vasco tirou Escudero para entrada de Bruno Paulista, aos 23 e, quatro minutos depois, trocou Madson por Yago Pikachu.

O Grêmio pressionava, mas não fazia Martin Silva trabalhar.

Na verdade, aos 34, quem teve de trabalhar foi Marcelo Grohe, para evitar o segundo gol em contra-ataque fulminante com Bruno Paulista.


Arroyo entrou no lugar de Barrios, em noite apagada, e Patrick substituiu Ramiro, últimas armas de Renato, aos 35.

Já aos 40, Bressan tentou uma bicicleta num bate-rebate na pequena área cruzmaltina, mas furou o pneu.

O Grêmio dava mais um presente ao líder Corinthians, parece até solidariedade entre Mosqueteiros.

No primeiro turno, com estádio lotado, o Alvinegro enfiou 5 a 2 no Vasco…

Mesmo que perca amanhã para o Santos, o Corinthians permanecerá sete pontos à frente do Grêmio.

Assim, o heptacampeonato fica no papo.