Blog do Juca Kfouri

A vez de Nuzman

Juca Kfouri

Chegou a vez de Carlos Nuzman.

Surpreendeu apenas pela demora.

Desde o dia em que o Rio foi escolhido para ser a sede da Olimpíada a chegada dele na Polícia Federal era esperada.

Paes, Cabral, Nuzman, Lula, Silva e Osório
Porque naquele dia 2 de outubro de 2009, em Copenhage, na Dinamarca, tão logo o nome do Rio de Janeiro foi anunciado, João Havelange,  o chefão de todos os brasileiros presentes (Lula incluído, além de Sérgio Cabral, Eduardo Paes, Orlando Silva, Pelé, Paulo Coelho, Carlos Alberto Osório e até Márcia Peltier, ex-mulher de Nuzman), correu não para abraçar algum deles, mas procurou Jean Marie Weber, chamado no mundo do esporte de o “Homem da Mala”, ex-dirigente da falida fraudulentamente ISL, banido do esporte mundial, mas. estranhamente, presente e credenciado naquela ocasião pelo COI.

Weber (foto) havia sido bem-sucedido para garantir os votos necessários que derrotaram Chicago, Tóquio e Madri, como você já leu neste blog.


De lá para cá tudo o mais decorre daí, do antes, do durante e do depois.


Fato é que ao ver Nuzman obrigado a entregar seu passaporte na PF, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, que também não podem viajar, mesmo sem ter nada a ver com a operação que pegou o colega olímpico, certamente não dormirão sem auxílio de um bom sonífero.

O cerco se aperta e só demora porque muitos, na mídia inclusive, se fazem de cegos antes e durante os grandes eventos, para acordar apenas depois.

Dá até asco ver certas reações “surpresas” com o episódio.