Blog do Juca Kfouri

Vitória destrói o Flamengo

Juca Kfouri

O goleiro Muralha não estava em campo, nem o zagueiro Vaz, nem o volante Márcio Araújo e nem muito menos o atacante Gabriel.

Estavam a estrela Diego Alves, o redivivo Willian Arão e o disputado Geuvânio.

Além de Diego e Everton Ribeiro.

A Ilha do Urubu estava cheia, só faltava Guerrero no gramado e o adversário era o Vitória, antepenúltimo colocado.

Manhã para o Flamengo brilhar e pareceu que brilharia mesmo, tantas as oportunidades de gol criadas no começo do jogo.


Mas Arão falhou miseravelmente numa saída de sua área e Yago aproveitou para fazer 1 a 0 para o outro rubro-negro, o baiano, aos 41 minutos, numa bomba indefensável, belíssima.

O sol estava quente e o segundo tempo prometia fervura e drama para Zé Ricardo, com o pescoço a prêmio.

Nem bem a etapa final começou e a Nação começou a pedir a entrada de Berrío.

Só faltava pedir o Zico…

Aos 15 minutos o Flamengo estava a 18 pontos do líder, ameaçado de cair para sexto lugar caso o Cruzeiro vença o Botafogo, no Mineirão, e Berrío substituiu Geuvânio.

Patric também entrou no jogo, no lugar do lesionado Yago.

Aos 20, Réver fez pênalti, o primeiro para Diego Alves mostrar o seu talento de pegador.

Neílton bateu num canto e o goleiro caiu no outro: 2 a 0!

A guilhotina pairava sobre a Ilha do Urubu.

Ao Flamengo restam a Copa do Brasil e a Sul-Americana, duas competições que garantem vaga na Libertadores, como o sexto lugar no Brasileirão.


Vinicius Júnior foi chamado e Everton retirado por Zé Ricardo, o Judas da Ilha do Urubu.

Um cheirinho de queimado invadia o estádio na Ilha do Governador diante do desgovernado futebol da Gávea.

Outro Júnior, mas do Vitória, substituiu Neílton.

Só aos 32, Fernando Miguel teve que fazer uma defesa difícil, em chute de Berrío, diante de mais de 18 mil torcedores, que chamavam o time de “sem vergonha”.

Berrío, que segundo a torcida fizera falta no primeiro tempo, fazia faltas em profusão no segundo.

Arão saiu, perdido na ilha, para Paquetá.

Zé Ricardo atendeu a massa e provavelmente perdeu a “proteção” do presidente Bandeira de Mello.

Trellez ainda carimbou a trave carioca e para aumentar o sofrimento da torcida flamenguista os quatro minutos de acréscimo foram dedicados a gritos de “olé” e com a promessa de “fim do amor, começo do terror”.

O Vitória chegou aos mesmos 19 pontos do São Paulo e torcerá, sem admitir, para o Bahia, que recebe o tricolor paulista nesta tarde.