Blog do Juca Kfouri

Copa do Brasil: um jogo oxo e outro ixo

Juca Kfouri

O Flamengo começou a jogar contra o Botafogo na casa do rival como se fosse o Atlético Nacional de Reinaldo Rueda no ano passado: sem dar bola por jogar como visitante.

Rueda que foi muito bem recebido por Jair Ventura.


Mas não demorou muito para o Botafogo equilibrar as coisas e até dominar o fim do primeiro tempo, embora exatamente nos acréscimos Gatito Fernandez tenha batido roupa e Berrío perdido um gol imperdível no rebote.


Já no segundo tempo os visitantes foram mais perigosos e Diego bateu uma falta no travessão botafoguense.

Mas o jogo foi ruim, muito ruim.

Aos 32 minutos o assoprador de apito inventou de expulsar o goleiro rubro-negro Muralha e o zagueiro botafoguense Carli.

Foi o bastante para estragar o jogo diante de 28 mil torcedores e fazê-lo terminar sem gols, acabar “oxo”, como dizia o narrador  da antiga TV Tupi, Walter Abrahão.


Na Arena Grêmio só dava Grêmio e o Cruzeiro só se defendia diante de  mais de 45 mil torcedores.

Aos 12 minutos Fábio fez milagre em cabeçada à queima-roupa de Barrios e aos 32 fez outra ótima defesa em chute de fora da área de Pedro Rocha, mas, aos 45, deu rebote em chute de Luan para Barrios fazer o gol que o Tricolor tanto buscou, embora com dificuldades para chegar na área visitante.

Barrios é o centroavante que o Palmeiras procura…

É claro que o Cruzeiro buscou mais o jogo no segundo tempo, mas Marcelo Grohe não via a bola a não ser já nos acréscimos, quando salvou o empate ao sair nos pés de Raniel.


Geromel, o zagueiro que Tite preteriu para chamar Rodrigo Caio, fazia uma outra partida monstruosa, mas se machucou, teve de sair e deve ficar de molho por três semanas.

O Grêmio ganhou, mas não matou, porque 1 a 0 é pouco, embora não tenha sofrido gol.

Abrahão não diria que o jogo terminou “ixo”, porque seria muito infame.

A Raposa segue viva.

Comentário para o Jornal da CBN desta quinta-feira, 17 de agosto de 2017, que você ouve aqui.