Blog do Juca Kfouri

Hernanes sassarica e tira o São Paulo do sufoco; assoprador foi uma mãe para o Tricolor

Juca Kfouri

No Morumbi lotado, com 56.052 pagantes, recorde no Brasileirão-17, o Cruzeiro foi melhor desde o apito inicial e desperdiçou um pênalti que Sassá chutou na trave no começo do jogo, além de criar mais que o São Paulo.

No entanto, nos acréscimos do primeiro tempo, Hernanes bateu uma falta com perfeição e abriu o placar.

Não era justo, mas era o placar.


Que não perdurou por muito tempo no segundo tempo, graças ao zagueiro Rodrigo Caio que falhou feio e a Sassá, que insistiu e se redimiu ao fazer dois gols, o primeiro de voleio num bate-rebate na área tricolor e o segundo por causa do erro do zagueiro convocado por Tite em vez de Geromel.

O Cruzeiro virou e esteve mais perto do terceiro gol até que Hernanes bateu escanteio na cabeça de Arboleda para deixar tudo igual: 2 a 2.

Aos 35, o assoprador de apito inventou um pênalti em Gilberto que mergulhou na área e Hernanes voltou a marcar para virar de novo, agora para o Tricolor: 3 a 2.

Não era justo e, aí, só era o placar por causa do assoprador.

Nos acréscimos, Pratto foi expulso, provavelmente por má consciência do assoprador, porque a falta que fez não era para receber o segundo cartão amarelo.

Digão, o estreante, também foi para o chuveiro.

Em resumo, no Dia dos Pais, o assoprador foi uma mãe para o São Paulo, que havia sido prejudicado na derrota para o Bahia.