Blog do Juca Kfouri

Botafogo destrói o quinto campeão da Libertadores e pega o Grêmio nas quartas

Juca Kfouri

Em cinco minutos o Botafogo destruiu o quinto campeão continental que encontrou e resolveu sua classificação às quartas de final da Libertadores em noite de festa no Nilton Santos.

Em escanteio pela direita, Bruno Silva, em fase brilhante, meteu a cabeça na bola para fazer 1 a 0, aos 2.

Em seguida, três minutos depois, Pimpão foi mais rápido que o goleiro uruguaio numa atrasada curta de bola da defesa oriental e, de carrinho, enfiou entre as pernas do arqueiro: 2 a 0.


Somado ao placar de Montevidéu, 3 a 0.

O Glorioso, em busca do título inédito, seguia destruindo os campeões de Libertadores.

O Nacional uruguaio era o quinto a ser abatido, tricampeão em 1971/80 e 1988.

Antes, ficaram pelo caminho o colombiano Atlético Nacional, atual campeão e de 1989, o chileno Colo-Colo (1991), os argentinos do Estudiantes (1968/69/70 e 2009) e o paraguaio Olímpia (1979/90 e 2002.


O próximo será o Grêmio!

Como o botafoguense é cismado, nada de comemorar, ainda mais depois do apagão contra o São Paulo,  pelo Brasileirão, quando levou três gols em oito minutos.

E três gols era tudo de que o Nacional uruguaio precisava.

Roger quase ampliou, mas o goleiro se redimiu em boa defesa.

Os uruguaios, desesperados, começaram a criar caso.

E foram para o tudo ou nada, ao botar atacante no lugar de meio campista ainda aos 35 minutos de jogo.

De pé em pé, o Fogão saía em contra-ataques.

Assim foi a toada até o fim do primeiro tempo e durante o segundo, com os visitantes até fazendo Gatito Fernandez trabalhar, mas sem maiores problemas.

O Botafogo também não fazia uma grande atuação, mais preocupado em fazer o tempo passar e incapaz de acertar um contra-ataque.

Pense no investimento feito pelo Botafogo, nas quartas da Libertadores e nas semifinais da Copa do Brasil.

Pense também no Flamengo, fora da Libertadores faz tempo, mas adversário do Botafogo na Copa do Brasil.

Agora pense no Atlético Mineiro, nem num nem noutro, e no Palmeiras, idem ibidem.

Pois é.

No fim, os uruguaios tiveram Polenta,  Rodrigues  e  Aguirre expulsos e os brasileiros perderam Vítor Luiz.

Hinchas do Nacional jogaram cadeiras no gramado.

Os uruguaios tinham arquivado tais atitudes, mas de uns tempos para cá voltaram a não saber perder.

Os jogadores botafoguenses foram para a pista de atletismo comemorar com a torcida, desfraldando bandeiras do clube.

Domingo já teremos um Botafogo x Grêmio, mas pelo Brasileirão, às 19h, no mesmo Nilton Santos que hoje viveu uma noite de gala, lotado, lindo retrato em preto e branco, com 40.050 torcedores que não pararam de cantar um minuto.

Botafuego?